inova.jor

inova.jor

Testes de software evitam prejuízos a longo prazo

Mais de 65% dos custos de criação de software são relativos à sua manutenção / Mikael Hvidtfeldt Christensen/Creative Commons
Mais de 65% dos custos de criação de software são relativos à sua manutenção / Mikael Hvidtfeldt Christensen/Creative Commons

A transformação digital habilita novas soluções que facilitam a nossa vida diariamente.

Porém, as novas tecnologias criam um usuário peculiar, que está integrado ao processo de qualidade dos produtos. Nesse contexto, as empresas precisam estar preparadas diante de novas e constantes demandas.

Inovar é estratégico. Contudo, a inovação não é apenas uma ideia na cabeça. Planejamento e avaliação são fundamentais para garantir a eficiência no processo de desenvolvimento e a qualidade dos produtos.

Qualidade é um conceito subjetivo, na medida em que cada usuário possui uma percepção ligada à sua experiência particular.

Para o mercado de tecnologia, seguindo a norma brasileira para documentação de testes de software, consideramos qualidade o grau em que um sistema, componente ou processo atende a requisitos do projeto e às necessidades dos usuários.

Custos de manutenção

Lucas Pereira, da Blockbit / Divulgação
Lucas Pereira, da Blockbit / Divulgação

Mas por que precisamos definir o que é qualidade?

No processo de criação de um novo produto ou serviço de tecnologia, podemos estabelecer parâmetros para orientar o projeto, trazendo mais eficiência para seu desenvolvimento e otimizando os investimentos.

Mais de 65% dos custos de criação de software são relativos à sua manutenção – seja para corrigir defeitos, adaptar ou integrar a novas plataformas ou para aplicar melhorias sugeridas por usuários.

Em casos de aplicações críticas – testes nas áreas da medicina e aviação, por exemplo – esses custos podem ultrapassar 90% do orçamento.

Portanto, definindo os critérios de qualidade, podemos planejar quais passos corroboram para alcançar os resultados estimados, sem tomar desvios ineficientes ou ter a necessidade de retroceder para corrigir a concepção de um projeto.

De modo geral, os desenvolvedores brasileiros estão mais concentrados em entregar as funcionalidades do software do que em garantir qualidade no processo de desenvolvimento.

E esse caminho envolve adotar uma metodologia de testes em todas as etapas: definição de escopo, arquitetura e prototipagem, desenvolvimento, homologação, documentação e go-to-market.

O fato de focar apenas em funcionalidades, sem atenção às outras etapas, pode representar um aumento exponencial de custos e atrasos no fluxo de trabalho.

O cuidado com o teste processual colabora para a entrega de um projeto mais alinhado com seu escopo e com a expectativa do mercado.

No entanto, conforme uma pesquisa do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, estima-se que menos de 9% das empresas de software conhecem a norma IEEE 829-2008 – que é a principal regulamentação em vigência para documentação de teste de software.

Planejamento cuidadoso

É importante que todo o processo de desenvolvimento de um novo produto ou serviço envolva um planejamento cuidadoso, por dois motivos:

  • por um lado, para otimizar o uso de tempo e investimentos;
  • por outro para garantir uma experiência positiva do usuário.

E testes são ferramentas essenciais para evitar que o que você chama de inovação seja um tiro no escuro.

A longo prazo, sua aplicação evitará que a empresa tenha problemas de qualidade dos produtos, prejuízos financeiros e possíveis danos à sua reputação.

  • Lucas Pereira é líder de Quality Assurance da Blockbit

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Fábio Abatepaulo, da Unisys, e Ítalo Flammia, da Porto Seguro, participaram do programa Start Eldorado, que teve como temas computação em nuvem e startups / Divulgação

Start Eldorado: Saiba sobre computação em nuvem e startups

Os temas do programa Start Eldorado da última quarta-feira foram computação em nuvem e startups. Conversei com Fábio Abatepaulo, diretor de serviços de consultoria da Unisys para a América Latina, e Ítalo Flammia, diretor de tecnologia da Porto Seguro. Você pode ouvir o programa abaixo: Quando ouvir O programa vai[…]

Leia mais »
Números e pesquisas mostram que o problema não é da automação / Luis Pérez/Creative Commons

Invista em máquinas e também em pessoas

Que as máquinas estão substituindo o homem em diversas atividades é um fato que precisa ser aceito. Não há como fugir. A questão agora vai para além disso: como capacitar as pessoas que ocupavam essas vagas para que exerçam outra função, combatendo os impactos da automação no mercado de trabalho?[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami