inova.jor

inova.jor

O que esperar do Plano Nacional de IoT

IoT: A internet das coisas pode fazer o trânsito fluir entre 5% e 25% melhor / Renato Cruz/inova.jor
A internet das coisas pode fazer o trânsito fluir entre 5% e 25% melhor / Renato Cruz/inova.jor

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançaram recentemente o Plano Nacional de IoT (internet das coisas, na sigla em inglês).

O documento pretende guiar políticas públicas e ações da área entre 2018 e 2022 em quatro vertentes prioritárias:

  • cidades,
  • saúde,
  • agronegócio, e
  • indústria.

O objetivo é melhorar a qualidade de vida da população e estimular o desenvolvimento sustentável por meio da tecnologia.

De fato, a IoT é um fenômeno que já impacta diversos setores da sociedade e, em um futuro não tão longínquo, deve impactar ainda mais.

Estudo da software.org, entidade ligada à BSA – Software Alliance, organização global representante de fabricantes de softwares, estima que até 2020 mais de 50 bilhões de dispositivos no mundo, entre televisores, relógios e eletrodomésticos, estarão conectados entre si.

Num recorte nacional, o impacto econômico da IoT no nosso país tem potencial para alcançar US$ 200 bilhões, anualmente, até 2025, de acordo com dados de estudo encomendado pelo BNDES ao CPqD e à consultoria McKinsey.

Dessa forma, em termos práticos, o Plano Nacional de IoT vem incentivar novos talentos e negócios nesse ecossistema digital que podem levar à ampliação da competitividade nacional frente a outros países, mudando o dia a dia de empresas e pessoas.

Qualidade de vida

O estudo da software.org traz evidências importantes de como a IoT consegue amenizar ou mesmo resolver problemas comuns a cidades de diversos países, inclusive o Brasil, proporcionando mais qualidade de vida à população.

Alguns exemplos:

  • uma gestão conectada do tráfego pode fazer o trânsito fluir entre 5% e 25% melhor;
  • sensores de segurança pública e novos modelos de monitoramento residencial podem diminuir as taxas de crimes em 20%;
  • a ampla adoção da internet das coisas pode fazer a emissão de gases de efeito estufa cair em 19%, o consumo de energia nas residências em 10% e o consumo das fábricas em até 30%;
  • por fim, os custos com tratamentos contra doenças crônicas têm potencial de queda de até 50%.

Esses e outros exemplos fazem parte de experimentos já empregados em cidades inteligentes e devem significar um impacto de US$ 11,1 trilhões na economia até 2025, aponta o estudo da software.org.

Sob a perspectiva desses exemplos, fica claro perceber que o Plano Nacional de IoT configura um passo importante para a criação de um ambiente mais propício ao desenvolvimento de soluções inovadoras no Brasil.

O plano é resultado de um processo longo, que incluiu a elaboração de diagnósticos e a seleção de temas prioritários, com a participação de diversos agentes da sociedade, dentre eles a BSA.

A abertura para diálogo e a vontade de escutar diferentes setores do mercado trouxe uma pluralidade para o plano, que reflete as necessidades do país.

  • Antonio Eduardo Mendes da Silva (Pitanga) é country manager da BSA no Brasil

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Esportes: Atleta vai saber o motivo exato que o levou a ganhar ou perder / Roberto Castro/Agência Brasil

Internet das coisas tem potencial de transformar os esportes

A chamada internet das coisas (IoT, na sigla em inglês), tecnologia que promete conexão entre objetos do nosso cotidiano como óculos, relógios e até roupas, é considerada uma tendência que vai abranger inúmeras áreas de atividades e negócios. Segundo pesquisa da Harbor Research, tecnologias inteligentes para esportes e fitness estão entre[…]

Leia mais »
Legislação brasileira não protege métodos de negócios nem funcionalidades de software / George Buchholz/Creative Commons

Como a propriedade intelectual protege as fintechs

Vivemos uma ascensão das empresas que utilizam ferramentas tecnológicas para prestação de serviços financeiros, as fintechs. Em outras palavras, empresas de soluções inovadoras que buscam facilitar a realização de transações financeiras como empréstimos e pagamentos, bem como auxiliar os clientes na administração de suas finanças. Segundo dados da consultoria Accenture,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami