inova.jor

inova.jor

Notebook e celular puxam retomada do setor eletroeletrônico

Faturamento da indústria eletroeletrônica voltou a crescer depois de três anos de queda / Renato Cruz/inova.jor
Faturamento da indústria eletroeletrônica voltou a crescer depois de três anos de queda / Renato Cruz/inova.jor

O faturamento da indústria eletroeletrônica brasileira registrou alta de 5% neste ano, somando R$ 136,1 bilhões. Desde 2013 o setor não registrava crescimento.

Apesar do avanço, a receita da indústria ainda está abaixo dos R$ 138,1 bilhões registrados em 2011.

A recuperação foi liderada por uma alta de 21% nas vendas de notebooks e de 17% nas de celulares.

“O crescimento veio principalmente dos bens de consumo”, afirmou o economista Luiz Cezar Rochel, da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee). “Áreas ligadas a investimento não tiveram desempenho tão interessante.”

A área de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica teve queda de 1%, enquanto a de infraestrutura de telecomunicações diminuiu 5%.

O déficit na balança comercial do setor subiu 21% neste ano, para US$ 24,1 bilhões.

Otimismo

As vendas de eletroeletrônicos devem continuar a avançar no ano que vem. “Estamos otimistas”, afirmou Humberto Barbato, presidente executivo da Abinee. “As coisas começaram a melhorar neste ano, principalmente a partir de julho.”

O crescimento de faturamento previsto para 2018 é 7%, para R$ 145,4 bilhões.

As encomendas na área de infraestrutura de telecomunicações devem se manter estáveis no próximo ano.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Centro de São Paulo vai trabalhar em colaboração com outros 10 centros distribuídos pelo mundo / Divulgação

Capgemini cria centro de excelência para digital e nuvem

A Capgemini, consultoria francesa de tecnologia, abriu um centro de excelência para digital e nuvem em São Paulo. Com cerca de 120 profissionais, a equipe brasileira vai trabalhar em colaboração com outros 10 centros de inovação que a companhia mantém pelo mundo. O centro conta com uma infraestrutura para realizar provas[…]

Leia mais »
Stefanini afirma que outros países não fazem diferença entre atividade meio e atividade fim na terceirização / Renato Cruz/inova.jor

Stefanini: ‘Terceirização traz investimento e crescimento’

A Stefanini é uma empresa brasileira de tecnologia da informação que atua em 39 países. No Brasil, emprega 12 mil funcionários. O inova.jor conversou com Marco Stefanini, presidente global e fundador do grupo que leva seu nome, sobre a projeto de lei de terceirização aprovado ontem (22/3) pela Câmara. O[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami