inova.jor

inova.jor

Como deve evoluir a digitalização da indústria brasileira

A fábrica-laboratório Labelectron, da Fundação Certi, é um exemplo de Indústria 4.0 no Brasil / Renato Cruz/inova.jor
A fábrica-laboratório Labelectron, da Fundação Certi, é um exemplo de Indústria 4.0 no Brasil / Renato Cruz/inova.jor

Poucas indústrias brasileiras adotam tecnologias digitais avançadas. Segundo pesquisa do Projeto Indústria 2027, somente 1,6% das empresas encontra-se hoje na chamada Indústria 4.0.

Em dez anos, esse percentual deve subir para 21,8%.

A Indústria 4.0 promove a integração da automação da fábrica aos demais sistemas digitais da empresa, com adoção de tecnologias como internet das coisas, inteligência artificial e computação em nuvem.

Apenas 15,1% das companhias ouvidas têm projetos em execução para incorporar tecnologias digitais de última geração.

A maioria delas (45,6%) realiza estudos iniciais ou tem planos aprovados sem execução, enquanto 39,4% não têm nenhuma ação prevista nessa área.

Estágios tecnológicos

A pesquisa considerou os seguintes estágios tecnológicos digitais:

  • 1 – produção rígida, com uso pontual de tecnologias da informação e comunicação (TIC) e automação rígida e isolada;
  • 2 – automação flexível ou semiflexível, com uso de TICs sem integração ou integração apenas parcial entre áreas da empresa;
  • 3 – uso de TICs integradas e conectadas em todas atividades e áreas da empresa.
  • 4 – produção conectada e inteligente, com tecnologias da informação integradas, fábricas conectadas e processos inteligentes e capacidade de subsidiar gestores com informações para tomada de decisão.

Estágios da indústria brasileira / Fonte: CNI

O estudo mostrou que 77,8% estão nos estágios 1 e 2. Em dez anos, no entanto, a maioria deve passar para 3 e 4.

A transformação digital é essencial para garantir a competitividade da indústria brasileira.

A pesquisa ouviu 759 médias e grandes empresas entre junho e novembro deste ano.

O Projeto Indústria 2027 é uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), em parceria com as universidades Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Estadual de Campinas (Unicamp).

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Criada pela Ripple, a criptomoeda XRP subiu 38.000% no ano passado / Ivan Malkin/Creative Commons

Por que o Ripple tornou-se a segunda maior criptomoeda

O bitcoin tem recebido muita atenção nos últimos meses. No lugar de ser utilizada para comprar coisas, a moeda digital acabou se tornando um ativo para investimentos de alto retorno e também de alto risco. A criptomoeda de maior valorização no ano passado, no entanto, é o XRP, também conhecido[…]

Leia mais »
Intel considera o mercado de computação em nuvem prioridade / Intel/Divulgação

Por que a Intel aposta seu futuro na nuvem

A Intel, maior fabricante de processadores do mundo, passa por um momento difícil de transformação. Na semana passada, a empresa anunciou resultados trimestrais abaixo do esperado e a demissão de 12 mil funcionários em todo o mundo, o que equivale a 11% de sua força de trabalho. Na terça-feira, Brian[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami