inova.jor

inova.jor

Por que ‘Twin Peaks: o retorno’ é o filme do ano

Depois do streaming, vídeo transmitido via internet, ficou difícil definir o que seja televisão. E também o que seja cinema.

A Cahiers du Cinéma escolheu Twin Peaks: o retorno como melhor filme do ano. O seriado também ficou em segundo lugar na lista de melhores filmes da Sight & Sound, do British Film Institute.

A série foi toda dirigida por David Lynch, como se fosse um longa-metragem de quase 18 horas.

Diante da questão de Twin Peaks ser ou não cinema, o Museu de Arte Moderna de Nova York (Moma, na sigla em inglês) decidiu exibir todos os episódios na tela grande, a partir de 5 de janeiro.

Abaixo, minha lista de melhores filmes de 2017, começando com Twin Peaks.

Alguns títulos foram lançados em 2016 no exterior, mas chegaram ao Brasil somente neste ano,

1. Twin Peaks: o retorno – David Lynch

Twin Peaks: o retorno - David Lynch

Você nunca viu nada parecido com Twin Peaks: o retorno. Para o bem e para o mal.

Lançado 26 anos depois da segunda temporada, o seriado pode ser considerado ainda mais revolucionário que o original.

Aos 71 anos, David Lynch retoma temas de toda a sua carreira, e faz um trabalho mais próximo de Império dos Sonhos que do primeiro Twin Peaks.

O oitavo episódio é o grande exemplo de como David Lynch mudou a história da televisão (e do cinema) mais uma vez.

2. Ao cair da noite – Trey Edward Shults

Ao cair da noite - Trey Edward Shults / Reprodução

O primeiro trabalho de Trey Edward Shults era um drama familiar chamado Krisha. Apesar de este segundo ser um filme de terror, a dinâmica é bem parecida.

Ele vai construindo tensão entre os personagens, a partir do que é dito e do que é não dito, de pequenos gestos que vão se acumulando, até que chega o momento da explosão.

Em Ao cair da noite, uma doença incurável ameaça a humanidade, e um casal mora isolado com o filho adolescente. A chegada de uma outra família vai tornar a vida mais difícil.

É um filme cheio de significados em tempos de intolerância e xenofobia.

3. Raw – Julia Ducournau

Raw - Julia Ducornau / Divulgação

Uma jovem vegetariana é obrigada a comer carne crua durante o trote da faculdade, e passa a sentir um desejo carnívoro incontrolável.

O filme de estreia da cineasta francesa Julia Ducournau trata de canibalismo de maneira original. Também mostra como é impossível fugir de quem se é de verdade, apesar da pressão social.

4. Blade Runner 2049 – Denis Villeneuve

Blade Runner 2049 - Denis Villeneuve / Reprodução

A responsabilidade do canadense Denis Villeneuve era grande, mesmo vindo da ótima sequência de filmes formada por O homem duplicado, Sicário e A chegada.

Blade Runner 2049 não faz feio frente ao clássico de 1982. Mantém questionamentos originais do escritor Philip K. Dick e cria imagens únicas, como uma Las Vegas deserta e coberta de areia.

Com a diferença de que estamos ainda mais próximos do futuro mostrado na tela.

5. Bom comportamento – Josh & Benny Safdie

Bom Comportamento - Benny & Josh Safdie

Robert Pattinson é um grande ator. Pelo menos neste filme.

Ele interpreta um pequeno criminoso que passa a noite tentando tirar da cadeia o irmão, que tem problemas mentais.

O irmão é interpretado por Benny Safdie, um dos diretores do filme. Benny e Josh fizeram um filme engraçado e violento.

O protagonista interpretado por Pattinson, que não é dos mais espertos, está em constante movimento.

6. Poesia sem fim – Alejandro Jodorowsky

Poesia Sem Fim - Alejandro Jodorowsky / Reprodução

O chileno Alejandro Jodorowsky é uma lenda viva dos filmes de meia-noite, por longa-metragens como El Topo e A montanha sagrada.

No autobiográfico Poesia sem fim, ele cria imagens únicas com truques cenográficos muito simples.

Dois de seus filhos trabalham como atores, e o próprio Jodorowsky interpreta a si mesmo.

O diretor também é conhecido pelo projeto de filmar Duna, que não se concretizou, e pelos roteiros da série em quadrinhos Incal, desenhada pelo mestre francês Moebius.

7. Silêncio – Martin Scorsese

Silêncio - Martin Scorsese / Divulgação

Silêncio pode ser visto como um filme de quase três horas sobre a fé católica. Mostra as dificuldades enfrentadas pelos jesuítas no Japão do século 17.

Dois jovens padres entram no país para resgatar seu mestre, que, segundo boatos, cometeu apostasia (renegou sua fé) e converteu-se ao budismo.

Também é possível ver Silêncio como o retrato de um choque cultural.

Os cristãos são obrigados a pisar num pedaço de madeira com a imagem de Cristo ou da Virgem Maria, como “mera formalidade”.

Na sociedade japonesa, no entanto, não existe “mera formalidade”.  O que há é uma relação profunda entre aparência e essência.

8. Thelma – Joachim Trier

Thelma - Joachim Trier / Reprodução

Thelma, do norueguês Joachim Trier, foi comparada a Carrie, a estranha. Acho que o filme está mais próximo de Raw, que também está nessa lista.

Assim como Raw, o longa-metragem fala dos problemas que surgem quando alguém tenta negar sua própria identidade. Neste caso, por pressão da família.

Recém-chegada à universidade, a protagonista se apaixona por uma colega, ao mesmo tempo em que seus poderes sobrenaturais começam a se manifestar, sem que ela consiga controlá-los.

A protagonista percebe que a repressão que sofre tem raízes históricas, que passam pela perseguição às bruxas há séculos na Europa e pelo tratamento da histeria no século 19.

9. Logan – James Mangold

Logan - James Mangold / Reprodução

Apesar de Mulher-Maravilha e de Thor: Ragnarok, o melhor filme de super-herói do ano é Logan. Hugh Jackman dá adeus ao Wolverine quase que num western outonal.

Seu personagem já não é imortal e o professor Xavier está ficando senil, uma situação particularmente perigosa, já que ele é o telepata mais poderoso do mundo.

10. Jim & Andy – Chris Smith

Jim & Andy - Chris Smith / Reprodução

Quando começou a fazer sucesso, Jim Carrey foi acusado de ser um imitador do Jerry Lewis. Nunca tive problemas com isso. Gostei muito de filmes como O mentiroso e Debi & Lóide.

Com o tempo, Carrey começou a se esforçar para ser um ator sério. O primeiro passo foi O show de Truman. No ano seguinte, ele fez O mundo de Andy, cinebiografia do humorista Andy Kaufman.

O documentário Jim & Andy mostra os bastidores desse filme, combinando imagens captadas na época com uma entrevista recente de Carrey.

Na filmagem de bastidores, Carrey nunca sai do personagem. Ou é Andy Kaufman ou Tony Clifton (alter ego de Kaufman).

O resultado é desconcertante. O diretor Milos Forman parece desesperado. Carrey confessa que queria fugir da própria vida e é como se víssemos sua personalidade implodir.

Fica a impressão de que ele não se recuperou até hoje.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Alunos utilizam o kit de eletrônica Rute / Reprodução

Como os brinquedos inteligentes podem transformar a educação

Ciência e raciocínio lógico podem ser ensinados com brinquedos inteligentes. Esse tipo de conhecimento é cada vez mais demandado pelo mercado de trabalho, com o crescimento da automação e do uso da tecnologia nas empresas. Entretanto, levar para as escolas a cultura maker, do faça você mesmo, ainda custa caro. O estudo Brinquedos inteligentes: hardware, apps[…]

Leia mais »
O Kirobo Mini, da Toyota, ajusta sua conversação às preferências do usuário / Divulgação

No Japão, o robô pode ser o melhor amigo de um humano

A ideia de robôs domésticos tornou-se realidade somente no Japão. Pelo menos por enquanto. Hoje (3/10), foi a vez de a Toyota anunciar o Kirobo Mini, um autômato de 10 centímetros de altura que parece um bebê e conversa com seu dono. Com início das vendas previsto para o ano que[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami