inova.jor

inova.jor

O que esperar da tecnologia em 2018

Tecnologia: A Siemens apresentou aplicações baseadas no conceito de gêmeo digital em Hannover / Renato Cruz/inova.jor
A Siemens apresentou aplicações baseadas no conceito de gêmeo digital em Hannover / Renato Cruz/inova.jor

Este ano promete ser de mudanças rápidas no mercado. Tecnologias consolidam-se e trazem resultados mais amplos a partir de agora.

Abaixo, destaco quatro tendências apontadas por pesquisas e relatórios internacionais que devem se fortalecer durante 2018.

1. Interface invisível

Com o avanço da tecnologia digital, consumidores convivem com uma proliferação de interfaces. Cada equipamento e cada aplicativo têm maneiras próprias de interação.

Assistentes de voz como Alexa (Amazon), Google Assistant, Siri (Apple) e Cortana (Microsoft) são um primeiro passo na direção em que aplicativos e equipamentos que entendem os usuários.

Pesquisa da Ericsson destacou que mais da metade das pessoas acredita que usaremos linguagem corporal, entonação, toque e gestos para interagir com a tecnologia da mesma forma que interagimos com outras pessoas.

Dois terços acham que isso acontecerá em três anos.

Oitenta e um por cento dos usuários de assistentes de voz acreditam que o teclado e o mouse vão se tornar coisa do passado nos próximos cinco anos.

2. Blockchain além do bitcoin

O blockchain, tecnologia por trás de moedas digitais como o bitcoin, torna-se cada vez mais presente em ambientes corporativos.

Com gestão e autenticação distribuídas, a tecnologia permite criar aplicações de baixo custo para processar transações e para compartilhar dados entre instituições.

Exemplo disso foram testes realizados no ano passado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Num deles, Itaú, Bradesco e B3 usaram o blockchain para compartilhar cadastros fictícios de clientes.

Sem a tecnologia, uma solução desse tipo exigiria tanto investimento e tempo de desenvolvimento que provavelmente a tornaria inviável.

3. Gêmeo digital

A internet das coisas permite a criação de redes cada vez mais completas. Para dar conta dessa complexidade, foi criado o conceito de gêmeo digital, representação virtual de um ente ou sistema real.

Ele serve, por exemplo, para monitorar as condições de uma linha de produção, e para testar novas configurações dessa linha e obter ganhos de produtividade.

Segundo a consultoria Gartner, haverá 21 bilhões de sensores e dispositivos conectados em 2020. Os gêmeos digitais poderão reduzir em bilhões de dólares os gastos com manutenção, reparo e operações.

Também existem aplicações da tecnologia para além das coisas. É possível criar gêmeos digitais de humanos, a partir de dados médicos e biométricos, ou de cidades inteiras, para simulações avançadas.

4. Computação de borda

O movimento de transferir sistemas para a nuvem, verificado nas últimas décadas, tem enfrentado forças contrárias recentemente.

Aplicações móveis e de internet das coisas fazem com que as empresas identifiquem vantagens em trazer capacidades de processamento e armazenamento mais próximas de dispositivos e usuários.

Segundo Mahadev Satyanarayanan, esses nós de rede menores, localizados nas bordas da internet, são chamados de cloudlets.

A computação de borda permite:

  • resposta mais rápida;
  • menor consumo de banda;
  • fortalecimento da privacidade;
  • redundância e contingência.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Baixos custos e pouco tempo de curso atraem estudantes para startups de e-learning / Chris Devers / Creative Commons

Startups de educação à distância crescem na crise

O mercado de educação à distância está em ascensão. Com custos mais baixos e aulas interativas, o modelo tem atraído pessoas que querem se especializar, mas que contam com pouco tempo e dinheiro. As startups voltadas para educação são vistas como promissoras. Surgida em 2011, a Descola quer preencher lacunas pouco exploradas pelas[…]

Leia mais »
O Labelectron, da Fundação Certi, combina pesquisa e fabricação de produtos / Renato Cruz/inova.jor

Como a indústria brasileira pode competir com a China

FLORIANÓPOLIS A crise da indústria brasileira começou antes da crise. O faturamento real do setor foi, em maio deste ano, o pior desde fevereiro de 2009. A participação dos produtos manufaturados nas exportações brasileiras, que havia chegado a 61% em 2002, está atualmente em 36%. O Labelectron, fábrica-laboratório da Fundação Certi, tem entre os[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami