inova.jor

inova.jor

Como a inteligência artificial muda o recrutamento e seleção

Economia de tempo é vista como o principal benefício do usa da inteligência artificial no recrutamento / Renato Cruz/inova.jor
Economia de tempo é vista como o principal benefício do usa da inteligência artificial no recrutamento / Renato Cruz/inova.jor

A  inteligência artificial ganha relevância nas atividades de recrutamento e seleção. A tendência foi um dos destaques do estudo Global Recruiting Trends 2018, do LinkedIn.

Setenta e seis por cento dos entrevistados (que incluem brasileiros) consideram que a inteligência artificial terá impacto de pelo menos alguma importância na contratação de pessoas.

As novas tecnologias podem tornar o trabalho dos recrutadores mais rápido e ajudar a perceber coisas que eles não conseguiriam sozinhos.

As principais aplicações da inteligência artificial, segundo a pesquisa, são descobrir candidatos (58%) e fazer a triagem deles (56%).

Os principais benefícios são:

  • economizar tempo (67%);
  • remover viés humano (43%);
  • conseguir candidatos mais adequados para as vagas (31%); e
  • economizar dinheiro, reduzindo o número de recrutadores (30%).

Os recrutadores não acreditam que a tecnologia vá substituí-los, pois a automação só é possível em parte das atividades de recrutamento e seleção.

Menos tempo

O estudo traz casos de uso de inteligência artificial, sendo que alguns deles usam tecnologia do próprio LinkedIn.

É o caso da Intuit, que conseguiu reduzir de 62 para 30 dias do processo de contratação, com um sistema que faz pré-seleção dos candidatos.

A Vodafone usa robôs para analisar entrevistas em vídeo, em que os candidatos respondem a perguntas padronizadas. As máquinas analisam 15 mil características, que incluem linguagem facial e entonação da voz.

No Brasil, 38% dos entrevistados acreditam que a inteligência artificial é uma das principais tendências que vão afetar a contratação de pessoas. No mundo, a média é de 35%.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A USP lidera a produção científica mundial sobre cosméticos / Juanedc/Creative Commons

Quais foram as 10 reportagens mais lidas de 2016

Big data, internet das coisas, expansão da banda larga e investimentos em startups foram alguns dos temas de tecnologia e inovação em destaque neste ano. Isso se reflete na relação das dez reportagens mais lidas de 2016 no inova.jor. De certa forma, a lista também serve como retrospectiva do ano. Apesar da[…]

Leia mais »
Cláudio Ferrari, da Sboc, participou de evento sobre gestão da informação aplicada à saúde / Renato Cruz/inova.jor

Análise de dados pode ajudar a salvar vidas

A saúde brasileira ainda precisa passar por uma revolução de informação. Segundo estudo da McKinsey, a adoção de tecnologias de análise de dados e big data poderia trazer um ganho de eficiência de 35% ao setor. Cláudio Ferrari, secretário de Comunicação Social da Sociedade brasileira de Oncologia Clínica (Sboc) participou[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami