inova.jor

inova.jor

Governo Trump estuda criar rede estatal 5G

Governo Trump quer defender comunicações dos EUA da espionagem chinesa / Gage Skidmore/Creative Commons
Governo Trump quer defender comunicações dos EUA da espionagem chinesa / Gage Skidmore/Creative Commons

O Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos estuda criar uma rede estatal de comunicações móveis com tecnologia de quinta geração (5G), com o objetivo de defender o país de espionagem da China.

O site Axios divulgou apresentação de um dos representantes da Segurança Nacional do governo Donald Trump. A informação foi confirmada por outros serviços noticiosos, como a Reuters.

A criação de uma rede estatal seria medida incomum nos Estados Unidos. Mesmo enquanto manteve o monopólio das telecomunicações naquele país, até 1982, a AT&T era uma empresa privada.

O documento do governo dos EUA aponta a necessidade de o país ter uma “rede 5G centralizada, com cobertura nacional”, num período de três anos.

Entre as opções estudadas estão:

  • Que o governo construa sua própria rede; ou
  • Que as operadoras privadas deixem de lado o modelo comercial atual e unam-se num consórcio para construir a rede.

Os integrantes do governo Trump comparam o projeto ao sistema de estradas interestaduais criado durante o governo Dwight Eisenhower, em 1956.

Ameaça de segurança

A apresentação aponta as seguintes ameaças, para justificar o plano:

  • “A China assumiu uma posição dominante na fabricação e operação de infraestrutura de rede”; e
  • “A China é um ator dominante e mal-intencionado no domínio da informação”.

A proposta chega a sugerir a exportação do trabalho dos EUA numa rede 5G segura para mercados emergentes, com o objetivo de proteger “democracias aliadas” do “comportamento neocolonial” chinês.

A tecnologia 5G ainda se encontra em processo de padronização. Apesar disso, operadoras norte-americanas como AT&T, Verizon e T-Mobile já começaram a investir nessa área.

Atualmente, os principais fabricantes de infraestrutura são a chinesa Huawei, a sueca Ericsson e a finlandesa Nokia.

O governo dos EUA já impede que grandes operadoras do país adotem equipamentos da Huawei, por questões de segurança.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Principal fonte dos ataques foi o próprio Brasil, segundo relatório / Renato Cruz/inova.jor

Brasil registra 30 ataques de negação de serviço por hora

No ano passado, foram registrados 264,9 mil ataques de negação de serviço (DDoS, na sigla em inglês) dirigidos ao Brasil. A informação consta do 13º Relatório Anual sobre Segurança da Infraestrutura Global de Redes (WISR, na sigla em inglês), da Netscout Arbor. Nesse tipo de ataque, o criminoso domina um número[…]

Leia mais »
O banco OCBC usa biometria para identificar clientes de alta renda que entram na agência / Nicolas Lannuzel/Creative Commons

Biometria traz segurança, comodidade e qualidade de atendimento

Atualmente, a integração de tecnologias de inteligência artificial é essencial para a identificação biométrica. A aplicação de soluções como análise de impressões digitais, de face, íris ou voz garante segurança de empresas e transações, além de trazer comodidade às pessoas. Um exemplo disso é o sistema que a NEC instalou[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami