inova.jor

inova.jor

PECE-Poli ensina a aplicar tecnologias inovativas aos negócios

Aluno do PECE-Poli pode optar por se aprofundar em Indústria 4.0 / inova.jor
Aluno do PECE-Poli pode optar por se aprofundar em Indústria 4.0 / inova.jor

Existem grandes oportunidades para empreender em áreas como aprendizado de máquina, internet das coisas (IoT), Indústria 4.0 e entretenimento digital.

O Programa de Educação Continuada da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (PECE-Poli) está com inscrições abertas para o curso Novos Negócios com Tecnologias Inovativas.

Por ser um curso de difusão, não exige que o candidato tenha graduação. Sua duração é de 12 meses, com carga horária mínima de 180 horas.

“O aluno é preparado para empreender e aplicar novas tecnologias, seja dentro de uma empresa, seja por iniciativa própria”, afirma Paulo Patullo, gerente de Relacionamento Institucional do PECE-Poli.

O curso é dividido em duas partes. Na primeira, o estudante aprende a respeito de novas tecnologias, empreendedorismo, marketing e gestão.

O primeiro módulo é formado por duas disciplinas obrigatórias de 30 horas.

Na segunda, opta por uma entre quatro linhas, dependendo de seu interesse:

  • Aprendizado de máquina com deep-learning;
  • Internet industrial e Indústria 4.0;
  • Indústria 4.0; e
  • Games e entretenimento digital.

Com quatro disciplinas de 30 horas cada, cada módulo eletivo conta com coordenador e corpo docente próprio especializado.

A escolha do segundo módulo é feita no ato da matrícula.

Empreendedorismo

Um dos objetivos do curso é preparar o aluno para criar uma startup baseada em tecnologias emergentes. “O aluno aprende de forma bem prática, pondo a mão na massa”, explica Patullo.

Inovar é levar ao mercado um produto, serviço ou processo novo ou significantemente melhorado, e obter resultados a partir dele.

Por conta disso, o curso ensina, além das novas tecnologias, como gerir uma nova empresa e como promovê-la.

Muitas vezes o empreendedor tem conhecimento técnico, mas enfrenta dificuldades na hora de criar uma empresa e mantê-la operando. O curso ajuda a suprir essa lacuna.

Dois módulos eletivos são voltados à indústria, sendo um deles com ênfase em internet das coisas e outro em manufatura avançada.

Adotar o conceito de Indústria 4.0, em que tecnologias como inteligência artificial, IoT e big data são aplicados à produção, é essencial para elevar a produtividade do setor industrial brasileiro.

“Fazemos parte desse esforço para recuperar a indústria como um todo”, diz Patullo.

Criado em 1973, o PECE-Poli oferece cursos voltados à especialização, ao aperfeiçoamento profissional e ao mercado.

As aulas acontecem na Cidade Universitária, fora do horário de expediente. As turmas presenciais costumam ter cerca de 30 alunos.

Cerca de 2 mil alunos passam anualmente pelos cursos do programa. Mais de 30 mil profissionais já foram qualificados pelo PECE-Poli.

Os cursos do programa são pagos.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Setor de tecnologia precisa de mais mulheres

As mulheres ainda são minoria no mercado de tecnologia do mundo inteiro. Elas ocupam apenas 24% dos postos de trabalho em empresas de tecnologia de todo o mundo, segundo dados da CompTIA, associação do setor de Tecnologia da Informação (TI). A disparidade aumenta em cargos de liderança, onde as mulheres[…]

Leia mais »
A Oxigênio está com as inscrições abertas para o próximo ciclo de seu programa de aceleração / Divulgação

Oxigênio, da Porto Seguro, busca startups para acelerar

A Oxigênio Aceleradora, da Porto Seguro, está com as inscrições abertas para seu sétimo ciclo de aceleração. As startups interessadas podem se inscrever até 21 de outubro no site da aceleradora. Serão selecionadas de cinco a oito empresas. Cada uma receberá investimento de R$ 200 mil. As startups precisam ter[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami