inova.jor

inova.jor

Empresas estão pouco preparadas para transformação digital

Estudo da Dell EMC mostrou que automação de processos como ponto fraco na transformação digital / Renato Cruz/inova.jor
Estudo da Dell EMC mostrou que automação de processos como ponto fraco na transformação digital / Renato Cruz/inova.jor

Um estudo da Dell EMC e da Intel, encomendado à IDC Brasil, mostrou que as empresas brasileiras estão pouco preparadas para a transformação digital.

Numa escala de 0 a 100, a nota média das companhias pesquisadas ficou em 43,7. Foram entrevistados 250 decisores de tecnologia da informação de empresas privadas com mais de 250 funcionários.

O Indicador de Transformação da TI (IT²) avaliou as empresas sob três dimensões:

  • automação de processos (média de 33,9 pontos);
  • modernização da infraestrutura (42 pontos); e
  • processos internos e cultura (55,2 pontos).

“A automação de processos é o ponto em que a TI brasileira tem mais dificuldade”, destacou Marcelo Medeiros, vice-presidente de soluções computacionais e redes da Dell EMC na América Latina.

Segundo o executivo, o investimento em automação poderia reduzir gastos operacionais, o que liberaria recursos para investir em inovação.

O estudo apontou que 47% das empresas investem mais de 60% de seus orçamentos no legado.

Retorno sobre investimento

Apesar de processos internos e cultura serem o critério com melhor avaliação, somente 19% das entrevistados fazem análise de retorno sobre investimento (ROI, na sigla em inglês) de 100% dos projetos de TI.

E apenas 24% consideram que gestores de negócio veem TI como diferencial competitivo para a empresa.

Dell EMC: Empresas que fazem análise de ROI dos projetos de TI

 

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Omnilink tem vários projetos de pesquisa e desenvolvimento com o Inatel / Divulgação

Em parceria com Inatel, Omnilink aposta em internet das coisas

A Omnilink, que desenvolve e comercializa sistemas de gestão de frotas, fechou um acordo com o Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), de Santa Rita do Sapucaí (MG), para desenvolver projetos com conectividade SigFox. A tecnologia SigFox é uma tecnologia de comunicação de longo alcance e baixo consumo de energia. É[…]

Leia mais »
Mercado da Blockbuster foi rompido pelo Netflix, segundo Clayton Christensen

Você sabe o que é ‘inovação rompedora’? Clayton Christensen explica que não

Com o clássico O dilema do inovador, publicado em 1997, Clayton Christensen, professor da Escola de Administração de Harvard, explicou ao mundo o conceito de “inovação rompedora” (“disruptive innovation”, que as pessoas por aqui insistem em traduzir como “disruptiva”). Recentemente, sua teoria da ruptura tem recebido ataques. Andrew King e Baljir Baatartogtokh publicaram[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami