inova.jor

inova.jor

Como combater o discurso de ódio na internet

O combate ao discurso de ódio foi um dos principais temas do Dia da Internet Segura / Renato Cruz/inova.jor / Renato Cruz/inova.jor
O combate ao discurso de ódio foi um dos principais temas do Dia da Internet Segura / Renato Cruz/inova.jor

Desde 2006, a SaferNet Brasil recebeu mais de 2 milhões de denúncias de crimes de ódio. A ONG promoveu hoje (6/2), em parceria com o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), a 10ª edição brasileira do Dia Mundial da Internet Segura.

O tema da campanha deste ano é “Crie, conecte e compartilhe respeito”. O combate ao discurso de ódio na internet foi um dos principais temas do evento realizado em São Paulo.

A SaferNet define discurso de ódio como “manifestações que atacam e incitam ódio contra determinados grupos sociais baseadas em raça, etnia, gênero, orientação sexual, religiosa ou origem nacional”.

A ONG é responsável pela Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos, em parceria com a Polícia Federal e o Ministério Público.

Liberdade de expressão e dignidade

Walter Rothenburg, procurador regional da República, deu exemplos concretos de manifestações de discurso de ódio no Brasil.

Numa página antitabagista na rede social, um participante comentou: “Não fumo porque o cigarro deixa o meu pulmão preto, e de preto eu quero distância”.

“O discurso de ódio pode surgir onde menos se espera”, afirmou Rothenburg. Uma página com mensagem positiva, a favor da saúde das pessoas, recebeu comentário que expressa discriminação étnica.

Outra página defendia a descriminalização (legalização) do estrupo. “Ela trazia até instruções sobre como cometer uma violência sexual”, disse o procurador, citando um trecho do texto.

A questão é delicada, pois contrapõe direitos fundamentais, como liberdade de expressão e defesa da dignidade humana. “Deve haver mais tolerância no campo artístico”, exemplificou Rothenburg.

A Justiça brasileira considera a liberdade de expressão um direito preferencial, que se sobrepõe a outros.

Recentemente, os tribunais negaram pedido de liminar do Ministério Público de São Paulo para impedir que o bloco Porão do Dops 2018 saia às ruas.

O bloco, que tem página no Facebook, homenageia torturadores da ditadura militar.

Contranarrativas

Para combater o discurso de ódio, o SaferLab, da SaferNet, criou um concurso para produzir contranarrativas, conteúdos que estimulem o diálogo, o respeito e a diversidade.

Podem participar jovens de 16 a 25 anos, que vão concorrer a bolsas de R$ 1,5 mil a R$ 20 mil para colocar suas ideias em prática. As inscrições vão até 1º de março.

O SaferLab também publicou um guia para ensinar a criar contranarrativas. Entre as boas práticas estão buscar entender o outro, evitar a lógica do nós contra eles e não bancar o justiceiro nas redes sociais.

A iniciativa do SaferLab recebeu apoio de youtubers como Murilo Araújo, do canal Muro Pequeno. Ele é gay, negro e católico, e muitos consideram ser gay e católico uma contradição.

“Acabo tomando porrada de todo lado”, disse Araújo. “Mas as pessoas não podem se prender a estereótipos.”

Silvana Helena Bahia, do Olabi e do PretaLab, aponta que o racismo no Brasil é estrutural.

“Não é somente quando xingam alguém de macaco”, afirmou. “Ele se manifesta quando entramos na universidade e não encontramos nenhum professor negro.”

O PretaLab é um projeto para mapear a participação de mulheres negras e indígenas em tecnologia e inovação. “Nossa pesquisa já recebeu mais de 600 respostas”, apontou Bahia.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Eric Hutto (dir.), da Unisys, fala da importância da tecnologia para o governo / Renato Cruz/inova.jor

‘Tecnologia precisar ser prioritária na agenda do governo’

A transformação digital do governo é um tema prioritário nas maiores economias do mundo, tanto em países desenvolvidos quanto em desenvolvimento. Mas ainda não no Brasil. Para Eric Hutto, presidente sênior da Unisys, as eleições deste ano são uma oportunidade para mudar esse cenário. A digitalização pode tornar o governo[…]

Leia mais »
Há milhares de aplicações de negócios do machine learning que ninguém ainda explorou ou descobriu / Mo Riza/Creative Commons

Quando os robôs assumem o controle

Assim como as governantas robôs, os carros voadores e as casas flutuantes dos desenhos animados futuristas das décadas de 1980, a inteligência artificial é uma promessa de longa data, que permaneceu no imaginário e fora de nosso alcance por décadas. O lado bom da história é que ainda não fomos[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami