inova.jor

inova.jor

Fábio Gandour, da IBM: ‘É preciso aprender a fazer a pergunta adequada’

Fábio Gandour, cientista-chefe da IBM Brasil, vai se aposentar na segunda-feira (12/2). Ele conversou com o inova.jor a respeito de sua trajetória e sobre a preparação de profissionais para o mercado.

Médico de formação, Gandour liderou o esforço que culminou na instalação de um laboratório de pesquisas da IBM no Brasil, em 2010.

Segundo o executivo, o laboratório foi resultado da convergência de diversos fatores, tendo como catalisador o bom momento que vivia o país.

Em 2009, a revista britânica The Economist havia publicado uma capa em que mostrava o Cristo Redentor decolando, para retratar a expansão da economia brasileira.

“Nesse cenário, ficou claro que tínhamos uma oportunidade única de trazer para o Brasil a presença oficial da IBM Research Division”, disse Gandour. “Trabalhamos em silêncio, até ter um objeto de discussão, que eu mesmo levei à corporação. Quando expliquei a intenção de implantar no Brasil um laboratório que praticasse o modelo de ciência como negócio, essa ideia chamou atenção.”

O laboratório tem operações em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Computação cognitiva

Gandour destacou a importância de ensinar aos estudantes brasileiros a trabalhar com computação cognitiva, para formar bons profissionais para o mercado de tecnologia.

“Um bom caminho é treinar a mão de obra que vai trabalhar no país para conviver com um tipo de ferramenta capaz de produzir cognição automática”, afirmou. “Nossos estudantes vão ao engenho de busca e recebem uma resposta toda estruturada. Eles usam aquela resposta do jeito que ela vem e se satisfazem com isso. Seria preciso educar os estudantes de tal maneira que eles pudessem fazer a pergunta adequada.”

Com a aposentadoria, Gandour planeja trabalhar em projetos relacionados à saúde e à sustentabilidade.

Para saber mais, acompanhe a entrevista em vídeo de Fábio Gandour, da IBM Brasil, ao inova.jor.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Cesar Gon, da CI&T, destaca a importância da inovação aberta / Renato Cruz/inova.jor

CI&T: ‘É preciso ser competitivo globalmente’

CAMPINAS Fundada em 1995 em Campinas, a CI&T está entre as empresas de tecnologia mais internacionalizadas do Brasil. Com dois centros de desenvolvimento no País e um na China, deve obter do exterior 40% do faturamento de R$ 400 milhões previsto para este ano. Lá fora, o principal mercado são[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami