inova.jor

inova.jor

Um terço da receita do Magazine Luiza vem do e-commerce

Magazine Luiza: O LuizaLabs emprega mais de 450 engenheiros e especialistas / Divulgação
O LuizaLabs emprega mais de 450 engenheiros e especialistas / Divulgação

Um terço do faturamento do Magazine Luiza no quarto trimestre de 2017 veio do comércio eletrônico.

Entre outubro e dezembro do ano passado, o varejista faturou R$ 4,4 bilhões, o que representou crescimento de 31% sobre o mesmo período de 2016.

O e-commerce, que inclui produtos próprios e de terceiros, acumulou alta de 60% no trimestre, frente a um avanço de 6,1% do varejo brasileiro na internet, segundo o E-bit.

Marketplace

Lançado em 2016, o marketplace do Magazine Luiza conta com mais de 750 vendedores e mais de 1,5 milhão de itens.

Em 2017, a plataforma de venda de produtos de terceiros faturou R$ 230 milhões, sendo R$ 120 milhões no último trimestre.

Em comunicado, o varejista destacou o serviço Retira Loja, em que o cliente compra no e-commerce e retira o produto numa loja física.

Atualmente, os consumidores optam por retirar numa loja 20% das mercadorias adquiridas pela internet, num prazo de até 48 horas.

Tecnologia e inovação

No ano passado, cerca de metade dos R$ 171 milhões investidos pelo Magazine Luiza foram direcionados para tecnologia.

Em abril, a companhia comprou a startup mineira Integra Commerce, especializada em integrar lojistas a marketplaces.

Mais de 450 engenheiros e especialistas trabalham no LuizaLabs, centro de inovação do Magazine Luiza.

No quarto trimestre, o Magazine Luiza registrou lucro líquido de R$ 166 milhões, um avanço de 260% sobre o mesmo período de 2016.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Mercado da Blockbuster foi rompido pelo Netflix, segundo Clayton Christensen

Você sabe o que é ‘inovação rompedora’? Clayton Christensen explica que não

Com o clássico O dilema do inovador, publicado em 1997, Clayton Christensen, professor da Escola de Administração de Harvard, explicou ao mundo o conceito de “inovação rompedora” (“disruptive innovation”, que as pessoas por aqui insistem em traduzir como “disruptiva”). Recentemente, sua teoria da ruptura tem recebido ataques. Andrew King e Baljir Baatartogtokh publicaram[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami