inova.jor

inova.jor

Por que é importante ter um chief digital officer

CDO tem aparecido frequentemente nas listas de profissões do futuro / flikr/Creative Commons
O CDO tem aparecido frequentemente nas listas de profissões do futuro / flikr/Creative Commons

Ele é o executivo responsável por liderar a transformação digital das empresas. A cada dia, tem sido mais requisitado por companhias de diversos segmentos, como indústria, tecnologia, varejo e instituições financeiras.

O chief digital officer (CDO) tem aparecido frequentemente na lista das profissões do futuro. De acordo com o Gartner, 90% das empresas do mundo vão caminhar para a transformação digital até 2019.

Embora relativamente nova no mercado, a posição demanda sólida experiência do profissional, na medida em que requer conhecimento e visão de negócios, além, obviamente, da expertise em tecnologia e marketing digital.

O trabalho do CDO permite que tecnologias como big data, internet das coisas, mobilidade e inteligência artificial e metodologias e conceitos como design thinking, design sprint, Scrum, DevOps e MVP sejam adotados para melhorar o desempenho e eficiência da companhia, alcançado e garantindo resultados melhores numa maior velocidade.

Olhando para as estruturas das companhias, quem hoje está mais próximo dessa expertise?

De imediato, pensamos em dois executivos para ocupar o cargo: o chief information officer (CIO) e o chief marketing officer (CMO). O CDO demanda habilidades e competências principalmente dessas duas posições.

O chief digital officer precisa ter as seguintes características:

  • ser um profissional híbrido, acostumado com as rotinas de tecnologia e com o universo digital;
  • ter capacidade de se envolver em múltiplas tarefas na empresa, como tomadas de decisões por meio de dados, transformação de processos e de conhecimento, habilidade para se relacionar com os principais stakeholders de diversas áreas, como produção, vendas e marketing, além de tecnologia da informação (TI); e
  • conseguir lidar com a cultura organizacional da empresa, principalmente com a transformação de pessoas e não só da TI, dentro do contexto de transformação digital.

Trata-se de uma posição que obrigatoriamente exige multidisciplinariedade e olhar muito apurado para tendências e inovação.

Cultura ágil

Leandro Bittioli, da Talenses / Divulgação
Leandro Bittioli, da Talenses / Divulgação

O CIO coloca-se como o candidato mais indicado ao posto de CDO, por já ter mais rotinas próximas das de um CMO, caso a TI da qual é responsável tenha atuação estratégica junto às áreas de negócio e, principalmente, opere numa cultura ágil.

De qualquer maneira, isso não é uma regra, depende muito da estratégia da companhia, pois vemos tanto CIOs quanto CMOs assumindo essa cadeira.

De acordo com o Gartner, 40% dos CIOs hoje lideram a área de digital em suas empresas.

Para conduzir a transformação digital, também é importante que o profissional possua alta capacidade de adaptação e que faça escolhas certas de novas tecnologias entre tantas que surgem, sabendo como aplicá-las para que efetivamente tragam resultados.

Características como proatividade, curiosidade e olhar para inovação complementam o perfil desse profissional, que desde 2016 passou a ser muito demandado no Brasil.

Como ainda não existem cursos específicos e formação para essa cadeira, o foco em tendências, buscando diversas fontes de informação, é fundamental.

Sem dúvida, se analisarmos todo o contexto de busca por organizações mais inovadoras, processos disruptivos, novas formas de impactar o cliente e de melhorar a eficiência operacional, a importância do chief digital officer será cada vez maior para o negócio, mas demandará mudança estrutural e cultural de organizações consideradas mais tradicionais, com olhar muito forte para inovação.

O que demonstra que a transformação digital é uma jornada sem fim, em constante evolução.

  • Leandro Bittioli é gerente da divisão de Tecnologia da Informação & Digital da Talenses

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Labelectron, da Fundação Certi, combina pesquisa e fabricação de produtos / Renato Cruz/inova.jor

Como a indústria brasileira pode competir com a China

FLORIANÓPOLIS A crise da indústria brasileira começou antes da crise. O faturamento real do setor foi, em maio deste ano, o pior desde fevereiro de 2009. A participação dos produtos manufaturados nas exportações brasileiras, que havia chegado a 61% em 2002, está atualmente em 36%. O Labelectron, fábrica-laboratório da Fundação Certi, tem entre os[…]

Leia mais »
A Liga Ventures vai selecionar de quatro a oito startups / Joeke-Remkus de Vries/Creative Commons

Liga AutoTech seleciona startups para aceleração

A Liga Ventures está com inscrições abertas para o terceiro ciclo de aceleração da Liga AutoTech. Voltado a projetos para o setor automobilístico, o programa tem como parceiros Webmotors e Mercedes-Benz. O prazo termina em 29 de abril. Serão escolhidas de quatro a oito startups, que atuem em: gestão e[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami