inova.jor

inova.jor

Internet das coisas deve decolar ainda neste ano

O mercado brasileiro de internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) deve começar a ganhar escala neste ano. Essa é a opinião de Marcia Ogawa, sócia de Telecomunicações, Mídia e Tecnologia da Deloitte Brasil.

“O primeiro motivo é que a fase de awareness, de conscientização do que é internet das coisas e de onde ela deve ser aplicada, já foi feita em grandes corporações, sejam nacionais, sejam multinacionais, aqui no Brasil”, explica Marcia. “E o segundo grande fator é que estamos saindo da recessão econômica, e então as empresas estão mais dispostas a investir em inovação.”

Ela aponta a indústria, varejo, serviços financeiros e telecomunicações como mercados de grande potencial para a internet das coisas.

“Além disso, temos oportunidades de IoT na saúde, educação, governo e cidades, que também passam a ganhar velocidade a partir deste ano”, completa a consultora.

Segundo Marcia Ogawa, o Brasil já deu passos importantes para garantir a conectividade para o IoT. Em sua opinião, apesar da importância da quinta geração das comunicações móveis (5G), não é preciso esperar o lançamento da nova tecnologia.

“Existem maneiras de usar a infraestrutura existente”, afirma a sócia da Deloitte Brasil. “Mas, logicamente, o 5G vai dar um salto no que tange à velocidade, alcance e flexibilidade, pois a infraestrutura de 5G já foi concebida para comunicações IoT.”

Ecossistemas digitais

Em sua entrevista, Marcia Ogawa destaca a importância de o Brasil fortalecer seus ecossistemas digitais, que reúnem empresas de diversos portes e que não atuam necessariamente no mesmo setor.

“Algumas empresas vão se encaixar aos ecossistemas mundiais, e eu acredito que muito que o Brasil vai conseguir liderar muitos desses ecossistemas, partindo daqui ou sendo orquestrado a partir do Brasil”, complementa.

Ela ressalta a importância de formação de mão de obra para esse mercado, que deve vir desde a educação básica. “Desde pequenas, as crianças precisam ser estimuladas a se interessar pelas ciências, pela engenharia, para que o Brasil tenha mais oferta de engenheiros, de makers, de pessoas interessadas efetivamente a trabalhar com tecnologia em nosso país.”

Acompanhe no vídeo acima a entrevista com Marcia Ogawa, da Deloite Brasil, para o inova.jor TIC, com apoio da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil).

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Intel considera o mercado de computação em nuvem prioridade / Intel/Divulgação

Por que a Intel aposta seu futuro na nuvem

A Intel, maior fabricante de processadores do mundo, passa por um momento difícil de transformação. Na semana passada, a empresa anunciou resultados trimestrais abaixo do esperado e a demissão de 12 mil funcionários em todo o mundo, o que equivale a 11% de sua força de trabalho. Na terça-feira, Brian[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami