inova.jor

inova.jor

Internet das coisas deve decolar ainda neste ano

O mercado brasileiro de internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) deve começar a ganhar escala neste ano. Essa é a opinião de Marcia Ogawa, sócia de Telecomunicações, Mídia e Tecnologia da Deloitte Brasil.

“O primeiro motivo é que a fase de awareness, de conscientização do que é internet das coisas e de onde ela deve ser aplicada, já foi feita em grandes corporações, sejam nacionais, sejam multinacionais, aqui no Brasil”, explica Marcia. “E o segundo grande fator é que estamos saindo da recessão econômica, e então as empresas estão mais dispostas a investir em inovação.”

Ela aponta a indústria, varejo, serviços financeiros e telecomunicações como mercados de grande potencial para a internet das coisas.

“Além disso, temos oportunidades de IoT na saúde, educação, governo e cidades, que também passam a ganhar velocidade a partir deste ano”, completa a consultora.

Segundo Marcia Ogawa, o Brasil já deu passos importantes para garantir a conectividade para o IoT. Em sua opinião, apesar da importância da quinta geração das comunicações móveis (5G), não é preciso esperar o lançamento da nova tecnologia.

“Existem maneiras de usar a infraestrutura existente”, afirma a sócia da Deloitte Brasil. “Mas, logicamente, o 5G vai dar um salto no que tange à velocidade, alcance e flexibilidade, pois a infraestrutura de 5G já foi concebida para comunicações IoT.”

Ecossistemas digitais

Em sua entrevista, Marcia Ogawa destaca a importância de o Brasil fortalecer seus ecossistemas digitais, que reúnem empresas de diversos portes e que não atuam necessariamente no mesmo setor.

“Algumas empresas vão se encaixar aos ecossistemas mundiais, e eu acredito que muito que o Brasil vai conseguir liderar muitos desses ecossistemas, partindo daqui ou sendo orquestrado a partir do Brasil”, complementa.

Ela ressalta a importância de formação de mão de obra para esse mercado, que deve vir desde a educação básica. “Desde pequenas, as crianças precisam ser estimuladas a se interessar pelas ciências, pela engenharia, para que o Brasil tenha mais oferta de engenheiros, de makers, de pessoas interessadas efetivamente a trabalhar com tecnologia em nosso país.”

Acompanhe no vídeo acima a entrevista com Marcia Ogawa, da Deloite Brasil, para o inova.jor TIC, com apoio da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil).

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Startups selecionadas podem passar por processo de aceleração com acompanhamento da ACE / Divulgação

Enel busca startups para parcerias e investimento

A Enel, empresa italiana de energia, busca startups para investimento ou parcerias comerciais estratégicas. Seu programa Energy Start está com as inscrições abertas até 30 de setembro. As startups interessadas precisam ter projetos nos seguintes setores: digitalização (internet das coisas), energias renováveis e armazenamento, desenvolvimento social, eficiência energética, fintech, cidades[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami