inova.jor

inova.jor

Como enfrentar o problema das notícias falsas

Wilson Gomes, Leonardo Sakamoto, Marcelo Bechara e Sérgio Amadeu discutem fake news / Renato Cruz/inova.jor
Wilson Gomes, Leonardo Sakamoto, Marcelo Bechara e Sérgio Amadeu discutem fake news / Renato Cruz/inova.jor

Com a proximidade das eleições, o problema das notícias falsas torna-se mais preocupante.

Distribuídas por redes sociais e aplicativos de mensagens, a experiência internacional mostra que as fake news ocupam lugar central no jogo sujo das campanhas.

Ontem (4/4), durante painel no Seminário Desafios da Internet no Debate Democrático e nas Eleições, foi consenso que, apesar da gravidade do problema, uma intervenção do governo no tema pode piorar as coisas, criando mecanismos de censura.

“Liberdade de expressão é inegociável”, disse Marcelo Bechara, diretor de Relações Institucionais do Grupo Globo.

“Ministério da Verdade, não”, completou Leonardo Sakamoto, diretor da ONG Repórter Brasil. “Pior que mentiras correndo é o Estado decidindo o que deve ou não ser dito.”

O próprio Sakamoto foi vítima desse instrumento de difamação. Em 2015, uma notícia falsa, promovida no Google, acusava-o de receber dinheiro do governo para atacar opositores.

Depois de o jornalista acionar a Justiça, o buscador informou que o responsável pela promoção da fake news em seu serviço era a JBS.

Controlada irmãos Joesley e Wesley Bastista, a JBS tinha sido citada em reportagens da Repórter Brasil sobre problemas trabalhistas e ambientais.

Ódio e polarização

A disseminação das notícias falsas reflete o clima de ódio e polarização que domina hoje a política no Brasil. “O ódio não se limita ao ambiente digital”, afirmou Sakamoto. “Levei murro na Liberdade e fui cuspido em Pinheiros.”

“Os ambientes de polarização geram intolerância e depois violência”, observou Bechara.

O professor Wilson Gomes, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), apontou que, no caso Marielle, o jornalismo funcionou para desmascarar fake news.

A vereadora Marielle Franco, do Rio, foi assassinada e notícias falsas disseminadas por redes sociais e aplicativos de mensagem procuravam associá-la ao crime organizado.

“Mas, com sua crise de credibilidade, o jornalismo não consegue ser cura, porque é parte do problema”, afirmou Gomes. “As pessoas já não distinguem mais o que é jornalismo.”

“Vivemos a panfakenewslização do mundo”, completou o professor.

O painel foi mediado pelo professor Sérgio Amadeu, da Universidade Federal do ABC (UFABC). E o seminário foi organizado pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br).

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

'Os monges pararam de meditar? Pararam de rezar? Todos parecem estar tuitando', diz Herzog / Reprodução

Werner Herzog apresenta visão apocalíptica da internet

No começo de setembro de 1859, uma grande tempestade solar, que ficou conhecida como Evento Carrington, causou falhas em sistemas de telégrafo nos Estados Unidos e na Europa. Fitas de telégrafo pegaram fogo e torres soltaram faíscas. Alguns operadores tomaram choques, enquanto outros conseguiram transmitir e receber mensagens mesmo depois de[…]

Leia mais »
Dia da internet segura / Renato Cruz/inova.jor

Como combater o discurso de ódio na internet

Desde 2006, a SaferNet Brasil recebeu mais de 2 milhões de denúncias de crimes de ódio. A ONG promoveu hoje (6/2), em parceria com o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), a 10ª edição brasileira do Dia Mundial da Internet Segura. O tema da campanha deste ano é “Crie,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami