inova.jor

inova.jor

O que fazer para evitar fraudes no ambiente virtual

Novas tecnologias permitem verificar o dispositivo para evitar fraudes / Alexandra Zakharova/Creative Commons
Novas tecnologias permitem verificar o dispositivo para evitar fraudes / Alexandra Zakharova/Creative Commons

Apesar da crise, o comércio eletrônico se manteve em crescimento nos últimos anos e esse é um possível reflexo da mudança de comportamento dos brasileiros, que passam a priorizar o meio eletrônico comparado ao físico.

Promoções e praticidade são alguns dos motivos que levaram a esse movimento, e que fazem com que diariamente milhares de dados e informações sigilosos de usuários sejam transmitidos.

O grande volume de transações comerciais e financeiras pode abrir brechas para fraudes, que hoje representam a maior fragilidade desse mercado, seja no varejo, contratação de serviços ou transações bancárias.

Por isso, é imprescindível contar com boas práticas na segurança dos dados armazenados em sites de lojas e não compartilhar informações pessoais em canais desconhecidos.

Além do bom comportamento dos consumidores, é preciso evoluir a forma de verificar fraudes para que tanto consumidor quanto empresa estejam protegidos contra fraudadores, cada vez mais preparados para burlar os sistemas tradicionais.

Verificação de fraudes

Claudio Pasqualin, da TransUnion / Divulgação
Claudio Pasqualin, da TransUnion / Divulgação

O roubo de identidade, por exemplo, é uma prática comum na internet.

Isso acontece quando alguém frauda perfis para ter algum tipo de vantagem e usa as informações de uma conta falsa para abrir um cadastro em lojas ou fazer transações bancárias.

Grande parte das soluções de verificação de fraude digital surgiu no início dos anos 2000, quando o comércio eletrônico dava seus primeiros passos.

Baseados nas primeiras regras determinadas internacionalmente para conhecer seu cliente, os sistemas costumam comparar dados, cruzando informações do solicitante com informações suspeitas, incluindo endereços associados a fraudes, clientes com histórico de fraude, números de CPF de pessoas falecidas, registros de créditos com alertas e endereços que são caixa postal ou estão em regiões de alto risco.

Porém, com a evolução tecnológica e a ampliação do volume de contas online, os fraudadores aproveitaram as brechas para aperfeiçoar seu “trabalho”.

Isso permitiu com que agissem mais rápido do que os sistemas tradicionais puderam acompanhar.

Além da coleta de informações na internet e a utilização de canais de atendimento falsos, os criminosos aprenderam a utilizar o próprio sistema de análise para criar perfis confiáveis.

Para elaborar tais identidades fraudulentas, os criminosos adotam contas de baixa proteção que trazem um nome falso, coletado anteriormente.

Assim, eles migram esses perfis para camadas de informações utilizadas nos sistemas tradicionais de checagem de dados.

Com o passar do tempo, essa identidade é finalmente utilizada para buscar linhas de crédito mais lucrativas. E é nesse momento que o perfil é analisado sem que haja desconfiança sobre eventuais problemas em sua origem.

É por isso que hoje é preciso entender o comportamento associado às identidades para prevenir as fraudes.

Isso só é possível por meio de soluções sofisticadas e personalização do processo para o nível de risco do solicitante.

Ou seja, com sistemas que verificam informações em tempo real, ao mesmo tempo em que exigem menos passos dos clientes e atuam nos bastidores, mantendo-se invisíveis a quem solicita o produto ou serviço.

Decisões contextualizadas

Com novas tecnologias também é possível fazer a verificação do dispositivo. Ou seja, checar o computador ou celular usado para abrir uma conta para analisar diversas anomalias e riscos, como uma mesma máquina que abre diversas contas simultaneamente e utiliza diferentes documentos.

Avaliar os fatores de risco e a reputação de um dispositivo, e depois checar os dados com o que se sabe sobre um cliente, permite tomar decisões informadas e contextualizadas.

Acima de tudo, isso deve ser feito com o mínimo de impacto nas transações do usuário da solução.

Com todas estas táticas, as empresas podem aprovar clientes de baixo risco mais rapidamente, reduzir drasticamente a análise manual, bloquear mais tentativas de fraude e melhorar a experiência do cliente com o serviço.

  • Claudio Pasqualin é diretor de produtos da TransUnion no Brasil

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Unisys: Até 2018, as áreas de negócios das companhias serão responsáveis por metade dos gastos com tecnologia / Divulgação

‘Toda empresa é uma empresa de tecnologia’

É fato que os papeis do diretor financeiro (CFO, na sigla em inglês) e do diretor presidente (CEO, na sigla em inglês) estão em constante evolução. Se antes o perfil de alguns deles era o de comandar a companhia de sua sala e conduzir as mudanças com base em benchmarking[…]

Leia mais »
Boas práticas de governança corporativa facilitam o acesso de startups a investimento / Renato Cruz/inova.jor

Atenção à governança corporativa deve começar cedo

O ambiente tecnológico e suas necessidades constantes de inovação trazem em seu âmago alta ansiedade para cumprir prazos apertados, desde a concepção da ideia até sua materialização e transformação em produto/serviço comercial. Adicionado a isso, há uma frustração sempre presente: conviver com o fantasma da constante obsolescência. Muitas vezes, nesse[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami