inova.jor

inova.jor

O que a Universidade de Cambridge diz sobre o Facebook

Mark Zuckerberg teve de explicar o escândalo da Cambridge Analytica em Washington / Lorie Shaull/Creative Commons
Mark Zuckerberg teve de explicar o escândalo da Cambridge Analytica em Washington / Lorie Shaull/Creative Commons

Mark Zuckerberg, presidente do Facebook, falou bastante na semana passada. Foram 10 horas de depoimento ao Congresso norte-americano.

Ele teve de responder questões fáceis e difíceis. Perguntaram como a rede social ganha dinheiro (publicidade). E perguntaram se o Facebook é um monopólio (ele disse que não).

Ao Senado, ele disse: “Precisamos entender se há alguma coisa ruim acontecendo na Universidade de Cambridge como um todo, que requeira uma atitude mais forte de nossa parte”.

A Cambridge Analytica, foco da crise do Facebook, foi criada por pesquisadores da universidade britânica. Por meio de um aplicativo, eles conseguiram capturar informações de 87 milhões de usuários da rede social.

Privacidade

Ross Anderson, professor de engenharia de segurança do Laboratório de Computação da Universidade de Cambridge, rebateu na New Scientist a afirmação de Zuckerberg.

“Mark Zuckerberg tenta desviar a culpa da crise de privacidade do Facebook apontando o dedo para a minha universidade”, escreveu o professor.

Anderson negou que a instituição tenha feito alguma coisa errada. Ele contou que, quando o pesquisador Aleksandr Kogan quis usar as informações coletadas no aplicativo This Is Your Digital Life em sua pesquisa acadêmica, os comitês de ética de Cambridge rejeitaram o pedido.

O motivo foi o fato de ele ter coletado dados dos amigos dos usuários do aplicativo, que não deram permissão.

O professor também disse que, há quase 10 anos, dois doutorandos escolheram como tema de pesquisa privacidade no Facebook.

Anderson achou estranho, e um deles explicou: “Não esperamos que um cara casado como você saiba disso, mas em Cambridge todos os convites para festas vêm via Facebook. Então, se não está no Facebook, você não vai a festas, não conhece garotas, não faz sexo, não tem filhos e seus genes morrem. É um imperativo darwiniano estar no Facebook, apesar de parecer que não há privacidade. Queremos saber se é possível consertar isso”.

Os doutorandos desistiram seis meses depois. Segundo Anderson, optar pela proteção da privacidade é muito difícil no Facebook.

“A academia tem muito a dizer sobre Facebook e privacidade, mas talvez não as coisas que o sr. Zuckerberg quer ouvir”, escreveu o professor. “O Facebook é poderoso não porque tem ótimos produtos, mas por causa dos efeitos de rede. As pessoas precisam usar as ferramentas que todo mundo usa.”

Anderson destacou que, apesar disso, as pessoas têm aprendido a dar mais valor à privacidade.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Brasileiros têm concentrado comunicação em aplicativos como o WhatsApp

Aplicativos incentivam crescimento do celular pós-pago

A redução do pré-pago na base total de celulares em uso no Brasil acelerou. Segundo dados preliminares da consultoria Teleco,  a participação chegou a 72% no ano passado. Em 2009, esse número era de 83%. Quem usava mais de um chip tem buscado concentrar tudo numa operadora só, fazendo de aplicativos de[…]

Leia mais »
Analíticos preditivos verificam automaticamente existência de gastos não autorizados / Renato Cruz/inova.jor

Como analíticos preditivos identificam fraudes nas despesas

Processos tradicionais de aprovação e auditorias das transações Procure to Pay (da compra ao pagamento) são suficientes para evitar fraudes, desperdícios e abuso de despesas em sua organização? As evidências sugerem que não. Estudo recente da Chrome River mostrou que fraudes com despesas cometidas por funcionários custariam às empresas dos[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami