inova.jor

inova.jor

‘Tecnologia precisar ser prioritária na agenda do governo’

Eric Hutto (dir.), da Unisys, fala da importância da tecnologia para o governo / Renato Cruz/inova.jor
Eric Hutto (dir.), da Unisys, fala da importância da tecnologia para o governo / Renato Cruz/inova.jor

A transformação digital do governo é um tema prioritário nas maiores economias do mundo, tanto em países desenvolvidos quanto em desenvolvimento. Mas ainda não no Brasil.

Para Eric Hutto, presidente sênior da Unisys, as eleições deste ano são uma oportunidade para mudar esse cenário. A digitalização pode tornar o governo mais eficiente, baixando custos e melhorando serviços, além de trazer mais segurança aos cidadãos.

“O desafio é como colocar esse tema de forma suficientemente prioritária na agenda política”, afirmou o executivo, em entrevista ao inova.jor. “O Brasil tem uma grande eleição em andamento. Ainda não sabemos onde vai dar, mas queremos falar com os principais candidatos e saber como podemos participar de conversas sobre o que eles vão fazer.”

Ele comentou a criação do Ministério da Segurança Pública: “Sei que segurança é uma prioridade, e estamos prontos para falar sobre temas como fronteiras e segurança da informação do governo”.

Impostos menores

Aqui no Brasil, o tema de transformação digital ainda está muito circunscrito ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Comunicações e Inovações (MCTIC).

Recentemente, foi divulgada uma Estratégia Brasileira para Transformação Digital, ainda sem metas e cronogramas bem definidos.

Hutto afirmou que o esforço de mostrar a importância da tecnologia nas políticas públicas não é somente da Unisys, mas de todo o setor.

“A transformação digital reduz os custos do governo aos cidadãos, então os impostos podem ser menores”, apontou o executivo.

O movimento inicial não precisa vir, necessariamente, do governo federal. “Acho que algum Estado brasileiro pode decidir liderar esse movimento. Só precisamos que um Estado tenha sucesso para que outros também decidam fazer isso.”

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Operadoras brasileiras passam por processo de transformação digital / Senado Federal/Creative Commons

‘Maioria das operadoras brasileiras ainda opera como commodity’

Com a nova Lei Geral de Telecomunicações travada no Congresso após embate na Justiça, os investimentos no setor para neste ano não devem ser muito diferentes do que em 2016. A crise econômica e a instabilidade na aprovação da lei têm segurado investimentos das operadoras, que continuam sendo constantemente pressionadas[…]

Leia mais »
Cesar Gon, da CI&T, destaca a importância da inovação aberta / Renato Cruz/inova.jor

CI&T: ‘É preciso ser competitivo globalmente’

CAMPINAS Fundada em 1995 em Campinas, a CI&T está entre as empresas de tecnologia mais internacionalizadas do Brasil. Com dois centros de desenvolvimento no País e um na China, deve obter do exterior 40% do faturamento de R$ 400 milhões previsto para este ano. Lá fora, o principal mercado são[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami