inova.jor

inova.jor

Por que a Embrapa precisa se reinventar, segundo a Economist

O trabalho da Embrapa foi responsável por tornar o Brasil um grande produtor de soja / Fernando Dias/Seapa
O trabalho da Embrapa foi responsável por tornar o Brasil um grande produtor de soja / Fernando Dias/Seapa

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) é uma joia da inovação no Brasil, mas enfrenta tempos difíceis e precisa se reinventar, segundo a Economist.

Antes da criação da Embrapa, em 1973, o cerrado brasileiro era considerado impróprio para a agricultura. Foi graças ao trabalho da estatal que o país tornou-se um grande exportador de commodities agrícolas.

No ano passado, a estatal deu de retorno à economia R$ 36 bilhões, mais de 10 vezes o seu orçamento.

Mas a revista britânica destaca que, de acordo com seus críticos, quase 90% da contribuição econômica da Embrapa vêm de pesquisas realizadas em seus primeiros 25 anos.

“Sete áreas de pesquisa, incluindo arroz e feijão, não deram retorno no ano passado”, aponta a publicação.

Mais competição

De acordo com a Economist, parte das críticas têm origem no fato de que, desde a década de 1990, a Embrapa enfrenta mais competição, de empresas estrangeiras como Bayer e Syngenta.

O ministra da Agricultura, Blairo Maggi, defende que a estatal concentre esforços em áreas em que as gigantes internacionais não atuam, como pesquisas sobre a combinação de criação de gado e agricultura para melhorar as condições do solo.

Outro problema apontado pela revista é a estrutura de custos da empresa. Setenta por cento do orçamento são consumidos em folha de pagamento e somente 2% em equipamentos de laboratório e testes de campo.

Neste ano, a Embrapa consolidou 17 unidades administrativas em seis e fechou quatro de seus 46 escritórios regionais.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Mercado de games avança no Brasil

O mercado de games está mundialmente em ascensão e deve gerar US$ 99,6 bilhões até o fim do ano. O valor é 8,5% maior que o mesmo período no ano passado. A estimativa, realizada pela Newzoo, consultoria referência em pesquisas da indústria de games, também prevê movimento positivo no Brasil.[…]

Leia mais »
Stefanini afirma que outros países não fazem diferença entre atividade meio e atividade fim na terceirização / Renato Cruz/inova.jor

Stefanini: ‘Terceirização traz investimento e crescimento’

A Stefanini é uma empresa brasileira de tecnologia da informação que atua em 39 países. No Brasil, emprega 12 mil funcionários. O inova.jor conversou com Marco Stefanini, presidente global e fundador do grupo que leva seu nome, sobre a projeto de lei de terceirização aprovado ontem (22/3) pela Câmara. O[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami