inova.jor

inova.jor

Qual deve ser o impacto da inteligência artificial no trabalho

Trabalhadores brasileiros admitem conhecer pouco a respeito de inteligência artificial / Jean Zar/Creative Commons
Trabalhadores brasileiros admitem conhecer pouco a respeito de inteligência artificial / Jean Zar/Creative Commons

A inteligência artificial é vista como a tecnologia emergente com maior potencial de transformar o ambiente de trabalho nos próximos cinco anos, segundo o estudo The new digital divide, da Unisys.

A pesquisa ouviu 12 mil pessoas em 12 países, incluindo o Brasil. Os pesquisados têm 18 a 64 anos e usam pelo menos um dispositivo tecnológico, como computador ou smartphone, para trabalhar.

No Brasil, 47% das pessoas apontaram a inteligência artificial como a tecnologia de maior impacto futuro. O percentual ficou acima da média global de 36%.

Tecnologias com maior potencial de impacto no trabalho / Unisys

A tecnologia ficou à frente da biometria (39%), da internet das coisas (39%) e da robótica e automação de processos (38%).

Apesar disso, os entrevistados admitiram pouco conhecimento a respeito do tema.  Somente 22% afirmaram conhecer bem a inteligência artificial.

Conhecimento dos trabalhadores a respeito das tecnologias / Unisys

“Com treinamento adequado, ferramentas de automação e inteligência vão ajudar a capacitar os profissionais, libertando-os de tarefas entediantes”, afirma Fabio Abatepaulo, diretor de transformação digital da Unisys para a América Latina. “Acreditamos que a IA vai melhorar o modo como os profissionais trabalham, não substituí-los.”

Empresas atrasadas

A pesquisa também mostrou que 52% das pessoas que trabalham em empresas tecnologicamente defasadas (slow tech) expressaram frustração em relação a seus empregadores, comparados a 3% dos que trabalham em organizações líderes em tecnologia (high tech).

Equipamentos são a principal fonte de problemas nas companhias slow tech. Quarenta e três por cento dos trabalhadores dessas empresas reclamam que são impedidos de ser mais produtivos por dispositivos obsoletos.

As empresas foram classificadas como slow tech e high tech de acordo com as respostas dos entrevistados.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Principal fonte dos ataques foi o próprio Brasil, segundo relatório / Renato Cruz/inova.jor

Brasil registra 30 ataques de negação de serviço por hora

No ano passado, foram registrados 264,9 mil ataques de negação de serviço (DDoS, na sigla em inglês) dirigidos ao Brasil. A informação consta do 13º Relatório Anual sobre Segurança da Infraestrutura Global de Redes (WISR, na sigla em inglês), da Netscout Arbor. Nesse tipo de ataque, o criminoso domina um número[…]

Leia mais »
Yves Guillaumot, CEO da Atos para a América do Sul, fala sobre as estratégias de transformação digital para empresas / Mariana Lima / inova.jor

Após aquisição da Unify, Atos foca em transformação digital

A partir deste ano, a Atos vai focar suas ações em quatro pilares de transformação digital: orquestração de nuvem híbrida, SAP Hana, ambiente de trabalho digital (digital workplace) e internet das coisas. “A estratégia de enfoque na transformação digital das empresa ocorrerá em âmbito global e seguirá, com ritmo diferenciado, na América[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami