inova.jor

inova.jor

Certificação digital entra em sua segunda fase

A partir da certificação digital, é possível implantar uma nova cultura empresarial / Renato Cruz/inova.jor
A partir do uso da certificação digital, é possível implantar uma nova cultura empresarial / Renato Cruz/inova.jor

O segmento da certificação digital, que numa primeira onda ficou atrelado ao cumprimento de obrigações com o governo, se prepara agora para uma nova fase, de grande expansão.

Vivemos num mundo movido pela novidade das tecnologias e o certificado digital, que é a identidade digital de pessoas jurídicas, é também, cada vez mais, das pessoas físicas.

Há tempos entendemos que é muito interessante o caminho da assinatura digital e do uso do certificado por parte das empresas, não só para cumprir essas obrigações, mas para uso em diversas tarefas do dia a dia.

A partir da utilização da assinatura digital que o certificado digital permite, é possível implantar uma nova cultura empresarial.

Desde o controle de acesso na entrada da empresa à manipulação de estoques, relacionamento com fornecedores e clientes, tudo pode ser feito de forma segura e sem o uso de documentos físicos.

Planejamento, gestão financeira, contratos. De um complicado plano estratégico ao simples envio de um email, tudo pode passar a ser regulado pela certificação digital, com rastreamento do autor ou autores das ações.

Novo patamar

Maurício Balassiano, da Serasa Experian / Divulgação
Maurício Balassiano, da Serasa Experian / Divulgação

A convergência do mundo real com o digital é inevitável. Nos últimos quinze anos o setor emitiu em torno de 10 milhões de certificados digitais válidos.

Agora, estamos prontos para entrar em um novo patamar, sair das aplicações públicas e entrar em novas fronteiras, ajudando as empresas e as pessoas físicas, e não só os contadores, a dar uma conotação positiva a esta ferramenta.

Nesse sentido, a ampliação do uso do smartphone fomenta um choque cotidiano na maneira de fazer as coisas e os negócios.

Um bom exemplo nesse sentido se deu no Poder Judiciário. No início da certificação digital, há mais de uma década, era preciso explicar muito como funcionava o sistema.

Hoje, é inconcebível que um juiz, promotor ou advogado ignore a forma de atuar no meio virtual.

Outro segmento que tem crescido nesse sentido é o voltado aos profissionais da saúde. Com a adoção dos prontuários eletrônicos, que permitem acompanhar todo o histórico do paciente, tratamentos e medicações.

Todos estão atuando de forma mais segura, rápida e prática.

Um ponto destacado se dá a partir de novembro, quando o eSocial será exigido a um rol de milhões de empresas.

Por que não aproveitar o momento e ampliar o uso, implantar uma ferramenta que permite reduzir custos e, o que é melhor, atuar em níveis de segurança altíssimos, que só a certificação digital permite?

Olhar para o futuro

Na primeira fase, a certificação digital tornou os sistemas menos sujeitos às fraudes, facilitou envio de relatórios, o pagamento de tributos, entre outras coisas. Aos poucos, novas funções estão sendo agregadas.

O controle que pode ser implantado com a ajuda do certificado digital:

  • permite eliminar gargalos e desperdícios;
  • acaba com a necessidade de se manter arquivos físicos e espaços para a guarda de documentos;
  • elimina o deslocamento e contratação de mensageiros para a assinatura de documentos e contratos, assim como a necessidade e o custo de cópias autenticadas e reconhecimento de firmas.

Mais do que tudo isso, reduz a burocracia própria nos relacionamentos empresariais e públicos, a vida fica mais fácil e permite aos conglomerados a dedicação integral à atividade core.

Neste mês, a Serasa Experian está completando 50 anos de atuação como empresa especialista em lidar com dados, num ambiente totalmente seguro.

Falar em segurança chega a ser redundante, por nossa reputação, ao mesmo tempo que é um privilégio e uma grande vantagem em termos de relacionamento empresarial.

Essa reputação é que nos move cada vez mais em buscar mecanismos corretos e seguros.

Por isso passamos a oferecer esse pacote de ações para empresas que, como nós, estão dispostas a olhar para o futuro de outra forma.

Os relacionamentos e a forma de produzir estão mudando e é preciso que haja a adequação a esse novo momento.

  • Maurício Balassiano é diretor de Certificação Digital da Serasa Experian

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Gazeta do Povo vai deixar de publicar o jornal impresso diário em 1º de junho / Daniel Castellano/Divulgação

Por que a Gazeta do Povo decidiu trocar o papel pelo digital

Imagine uma publicação feita digitalmente. As pessoas usam computadores e câmeras digitais para produzir fotos e textos e software para diagramá-la. Depois de pronta, ela roda numa gráfica para ser distribuída de caminhão. Faz sentido? Se fosse para inventar um produto assim hoje, nenhum. Mas, por questões históricas, às vezes ainda faz. A Gazeta do[…]

Leia mais »
Mais de 65% dos custos de criação de software são relativos à sua manutenção / Mikael Hvidtfeldt Christensen/Creative Commons

Testes de software evitam prejuízos a longo prazo

A transformação digital habilita novas soluções que facilitam a nossa vida diariamente. Porém, as novas tecnologias criam um usuário peculiar, que está integrado ao processo de qualidade dos produtos. Nesse contexto, as empresas precisam estar preparadas diante de novas e constantes demandas. Inovar é estratégico. Contudo, a inovação não é[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami