inova.jor

inova.jor

Biometria reforça comodidade e segurança no setor financeiro

Biometria: Bancos brasileiros investem cerca de R$ 2 bilhões ao ano em segurança / Divulgação
Bancos brasileiros investem cerca de R$ 2 bilhões ao ano em segurança / Divulgação

A população cresce de maneira exponencial em todo o mundo e um volume cada vez maior de dados circula de maneira ampla por todo o ambiente digital.

Com todas as transformações na sociedade, é preciso pensar em soluções tecnológicas mais práticas, eficazes e seguras para setores vitais, como o financeiro.

Um exemplo é a biometria, que acumula casos de sucesso ao redor do mundo.

A aplicação de recursos como análise de impressões digitais, face, íris ou voz garante segurança para as empresas e transações do setor, além de trazer comodidade às pessoas.

“Conforme aumenta a digitalização de bancos, enquanto as pessoas confiam suas informações e bens mais sensíveis às instituições financeiras, é preciso ter uma integração mais coesa entre espaços físicos e os serviços digitais”, diz o pesquisador José Amâncio, do Mackenzie, em estudo elaborado para a NEC pelo inova.jor.

Segundo a Febraban, cerca de R$ 2 bilhões são investidos anualmente no Brasil em sistemas de tecnologia da informação voltados para segurança.
O valor corresponde a aproximadamente 10% dos gastos totais do setor com TI.

“O objetivo é garantir a tranquilidade de clientes e funcionários, desenvolvendo e implantando soluções e tecnologias, melhorando a cada dia os seus canais de atendimento, além de manter equipes que identificam situações opostas ao comportamento habitual do cliente”, informa a federação.

Pioneira no desenvolvimento dessas soluções, a NEC conta com ferramentas para apoiar as novas necessidades do mercado financeiro.

A biometria já é oferecida pela empresa japonesa para mais de 700 sistemas em mais de 70 países.

Algumas das soluções apresentam constituições mais complexas, como é o caso da multibiometria.

A plataforma une tecnologias como detecção de impressão digital, reconhecimento facial e reconhecimento de íris com o diferencial de ter uma arquitetura moderna e amigável.

Novas experiências

Uma das transformações causadas por essas novas tecnologias está na experiência do cliente.

Afinal, com a tecnologia, empresas podem identificar as pessoas e, assim, criar um sistema inteligente que integre espaços físicos e digitais por meio de identidade única.

A plataforma personaliza a experiência do cliente e combina a facilidade no uso e a acessibilidade com segurança, privacidade e controle dos dados do consumidor.

Ao redor do mundo, já há casos do sistema implementado de maneira eficiente.

A NEC anunciou recentemente o lançamento de um sistema de reconhecimento facial em agências do OCBC Bank, de Cingapura, para identificação.

Assim, a tecnologia reconhece instantaneamente as pessoas à medida que se aproximam do lounge da agência, sem que precisem nem mesmo parar para olhar a câmera.

Essa é uma abordagem não intrusiva para o banco identificá-los, enquanto mantém a segurança do local.

“As pessoas acreditam na segurança das soluções que utilizam”, afirma o professor Renato Franzon, especialista em segurança digital. “As empresas precisam trazer o que há de melhor do mercado para seus processos e validações. A biometria, em todas possibilidades da tecnologia, é a melhor opção.”

Segurança

Outro ponto importante é uma maior quantidade de camadas de segurança em processos digitais, como acesso às plataformas online, e em análise de crédito.

A CredDefense, plataforma brasileira de detecção de fraude e parceira da NEC, implementou soluções de reconhecimento facial em sua base de dados com mais de 130 empresas.

Essa integração permitiu mapear as características faciais do consumidor, com a análise de foto de documento quando ele faz um cartão de loja.

Com isso, houve uma redução de mais de 90% no número de fraudes e cerca de R$ 1 bilhão economizados.

Além disso, em uma só agência bancária, a análise de vídeo pode ajudar a instituição a:

  • detectar pessoas suspeitas previamente cadastradas no sistema;
  • reconhecer objetos abandonados ou esquecidos; e
  • gerenciar grandes multidões no local para evitar problemas.

A Febraban ainda alerta: “o comportamento do consumidor é crucial para amenizar os riscos. Os clientes devem estar sempre atentos e utilizar as soluções de segurança oferecidas pelo banco, optando por terminais eletrônicos com biometria, soluções para autenticação de transações na internet e equipamentos habituais para acesso por dispositivos móveis.”

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

IBM: ‘Cibercrime é a máfia do século 21’

O cibercrime é a máfia do século 21, e o Brasil deve ser o país mais afetado por esse tipo de delito nos próximos anos. A informação faz parte de um relatório da IBM sobre segurança cibernética. O Brasil lidera a lista dos países com maior probabilidade de sofrer violação de dados nos[…]

Leia mais »
Gustavo Fosse, da Febraban, vê grande potencial de crescimento para o mobile banking / Renato Cruz/inova.jor

Bancos já são principalmente móveis no Brasil

Pela primeira vez, os aplicativos superaram os sites dos bancos e concentraram a maior parte das transações bancárias feitas por brasileiros. Em 2016, o mobile banking respondeu por 21,9 bilhões de transações, o que equivale a 34% do total. O crescimento registrado pelo canal móvel, em números absolutos, foi de[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami