inova.jor

inova.jor

Abinee: ‘Lei de Antenas precisa urgentemente de solução’

O mercado brasileiro de telecomunicações talvez seja o de maior potencial no mundo, segundo Humberto Barbato, presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee).

“Entretanto, sofre com vários fatores que não permitem que ele possa ter um crescimento efetivo”, afirma Barbato em entrevista exclusiva ao inova.jor TIC. “E isso está vinculado a problemas de carga tributária, a aspectos de regulamentação e até ao próprio ciclo de tecnologia.”

Na sua visão, uma medida urgente é a aprovação da Lei das Antenas da cidade de São Paulo. “Isso é uma coisa que está há bastante tempo sendo trabalhada e que precisa urgentemente ter uma solução. Até porque afeta de uma forma muito violenta a indústria”, disse.

A Lei das Antenas permitiria ter uma quantidade maior de antenas, com uso melhor da infraestrutura e mais produtividade do setor de telecomunicações.

Segundo o executivo, uma melhora do ambiente regulatório permitiria que as operadoras se sentissem mais confiantes, em condições de continuar a investir.

Reforma tributária

Ele defende que, numa eventual reforma tributária no próximo governo, seja reduzida a carga que incide sobre o setor.

“Oxalá possamos ter uma reforma tributária em que não incida tanto tributo sobre esse tipo de serviço, assim como também sobre energia elétrica”, afirma Barbato. “Se temos de pagar muito tributo em cima de serviços tão importantes, evidentemente isso só faz com que diminuamos o consumo desses serviços.”

Na área de tecnologia da informação, o presidente da Abinee destaca a importância de se redefinir a Lei de Informática, que foi alvo de denúncia na Organização Mundial do Comércio (OMC).

“Precisamos ter uma solução para aquela denúncia, para o painel e para apelação que o Brasil fez naquele painel”, diz Barbato. “Isso é uma coisa que, de certa maneira, dificulta enormemente a indústria sediada no Brasil, que é muito grande e gera 130 mil empregos diretos.”

Segundo ele, a Lei de Informática precisa ser atualizada para dar segurança jurídica à indústria instalada no país.

“Temos de ter muito claro que produzir no Brasil não é uma coisa barata nem fácil. E, portanto, não podemos ter mais complicadores como esse que foi o painel da OMC, que pode desestimular o investimento no Brasil”, complementa.

Assista à entrevista em vídeo de Humberto Barbato, da Abinee, ao inova.jor TIC, que tem apoio da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil).

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Aluno do PECE-Poli pode optar por se aprofundar em Indústria 4.0 / inova.jor

PECE-Poli ensina a aplicar tecnologias inovativas aos negócios

Existem grandes oportunidades para empreender em áreas como aprendizado de máquina, internet das coisas (IoT), Indústria 4.0 e entretenimento digital. O Programa de Educação Continuada da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (PECE-Poli) está com inscrições abertas para o curso Novos Negócios com Tecnologias Inovativas. Por ser um curso[…]

Leia mais »
Painel em evento da FGV discutiu as tendências tecnológicas e seu impacto no futuro do Brasil / Maria Cristina Gonçalves/Divulgação

Cinco tendências tecnológicas que revolucionam mercados

Passamos por um momento de transição. O smartphone, que modificou hábitos de consumidores e transformou mercados nos últimos anos, parece ter se tornado uma tecnologia madura. Os resultados de tendências com internet das coisas, big data e computação em nuvem apenas começam a aparecer. Ontem (30/11), participei do evento Temos Futuro?[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami