inova.jor

inova.jor

Quais são as principais tendências tecnológicas para 2019

2019: O computador quântico começa a se tornar realidade / IBM Research
O computador quântico começa a se tornar realidade / IBM Research

A inteligência artificial torna-se mais popular neste ano, tanto no ambiente de trabalho quanto no doméstico.

Tecnologias como 5G e computação quântica começam a virar realidade, enquanto os cuidados com a segurança digital precisam ser redobrados.

A seguir, cinco tendências tecnológicas para este ano, definidas pelo inova.jor a partir de relatórios de consultorias e de empresas de tecnologia.

Equipes humanas-digitais

A formação de equipes formadas por inteligência artificial e humanos será cada vez mais comum nas empresas.

Os profissionais de sucesso precisam aprender a trabalhar ao lado de robôs.

A consultoria Gartner prevê que ferramentas de avançadas de análise de dados serão aplicadas em segmentos como recursos humanos, finanças, vendas, marketing, atendimento ao consumidor, compras e gestão de ativos, para melhoras as decisões de todos os funcionários.

A ciência de dados deixará de ser uma área de especialistas para se tornar acessível a um número cada vez maior de trabalhadores.

A inteligência artificial também será adotada no desenvolvimento de aplicações, automatizando análise de dados, geração de código e testes.

Em 2022, pelo menos 40% dos novos projetos de desenvolvimento de aplicações terão codesenvolvedores de inteligência artificial na equipe.

Inteligência artificial emocional

Assistentes de voz devem se tornar ainda mais inteligentes, sendo capazes de interpretar sentimentos dos usuários e de automatizar compras.

Segundo pesquisa da Ericsson, mais de 60% dos usuários de assistentes virtuais acreditam que os dispositivos que entendem o nosso humor serão predominantes em três anos.

Cerca de metade desses usuários querem contas e assinaturas automatizadas, bem como serviços de autorreabastecimento de suprimentos domésticos.

Até 2022, 25% das empresas latino-americanas usarão a tecnologia de fala conversacional em aplicativos relacionados à experiência do cliente, de acordo com a consultoria IDC.

Conflitos internacionais digitais

As tensões no comércio internacional devem se refletir no ambiente digital, em ataques tanto a governos quanto a empresas. O Brasil não está fora deste cenário.

A implementação da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, com entrada em vigor prevista para agosto de 2020, deve exigir um esforço maior das empresas no país.

Tendências como internet das coisas, computação em nuvem e big data aumentam os pontos de vulnerabilidade.

Segundo a FireEye, em 2017, invasores conseguiram operar em média 101 dias sem serem detectados, o que excede o tempo necessário para completar suas missões.

Essa tendência deve continuar em 2019.

Computação quântica

A computação quântica é uma promessa de muitos anos, que finalmente começa a se concretizar.

Em 2019, ainda não deve se tornar uma tecnologia que faça a diferença, mas empresas e governos, cada vez mais, passam a se preparar nessa área.

Problemas que levariam anos para ser resolvidos (como, por exemplo, quebrar as atuais chaves criptográficas) poderão ter respostas calculadas em segundos com o computador quântico.

No lugar do bit, que pode ter valor de zero ou um, a computação quântica usa o qubit, que pode armazenar zero, um ou zero e um ao mesmo tempo.

Isso significa que esse tipo de máquina consegue realizar vários cálculos em paralelo, chegando rapidamente a uma resposta.

5G

A quinta geração das comunicações móveis (5G) deve começar a se tornar realidade neste ano. A expectativa é que sejam leiloadas frequências no Brasil neste ano, com o lançamento das primeiras operações em 2020.

O 5G não vai significar somente aumento de velocidade. Ele permitirá novas aplicações, principalmente na conexão de objetos.

A baixa latência (tempo em que o sinal leva para ir de um ponto a outro), menor que 1 milissegundo, será essencial para viabilizar carros autônomos e telemedicina.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

'Os estudantes estão desestimulados', afirma Eve Psalti, da Microsoft / Divulgação

‘As escolas formam estudantes para as carreiras erradas’

A tecnologia é uma ferramenta importante para recuperar o interesse dos estudantes e atualizar a escola para que ela volte a cumprir o seu papel. Mas somente tecnologia não basta. Nascida na Grécia, Eve Psalti, diretora global de programas educacionais da Microsoft, participou na semana passada do evento Bett Educar, em São[…]

Leia mais »

Quais são os planos da China para inteligência artificial

Kai-Fu Lee é um investidor chinês que já trabalhou como executivo de gigantes americanas de tecnologia como Apple, Microsoft e Google. Em 2018, ele publicou o AI Superpowers: China, Silicon Valley, and the New World Order (Superpotências de inteligência artificial: China, Vale do Silício e nova ordem mundial). Em entrevista[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami