inova.jor

inova.jor

Contic: ‘Brasil precisa estar preparado para a revolução digital’

A Confederação Nacional da Tecnologia da Informação e Comunicação (Contic) foi criada em outubro do ano passado, a partir da união da Federação Brasileira de Telecomunicações (Febratel), da Federação Nacional das Empresas de Informática (Fenainfo) e da Federação Nacional de Instalação e Manutenção de Infraestrutura de Redes de Telecomunicações e de Informática (Feninfra).

Vivien Suruagy, presidente da Contic, destaca a importância da tecnologia para garantir a competitividade e o crescimento da economia brasileira.

“A função precípua da confederação é, primeiro, dar estabilidade para empresas e pessoas nos setores de informática e telecomunicações”, disse Vivien. “E, segundo, promover, com os pés no chão e de uma forma bem sólida, a revolução digital no país.”

A executiva destacou que os países desenvolvidos buscam a liderança em áreas como inteligência artificial e robótica, e o Brasil não pode ficar para trás.

“Também temos o 5G (telefonia móvel de quinta geração) chegando por aí e temos de estar preparados para enfrentar essa revolução tecnológica, que fará com que sejamos mais eficientes”, afirmou.

Desafios ao desenvolvimento

A presidente da Contic destacou alguns obstáculos que existem hoje a uma adoção mais ampla da tecnologia da informação e comunicação no Brasil.

Um deles é a carga tributária elevada. “Temos em média 47,5% de tributos cobrados sobre as receitas de telecomunicações”, disse. Ela acrescentou que, nos últimos anos, a carga tributária cresceu 223%, enquanto a receita das empresas avançou 140%.

O setor de telecomunicações também recolheu, desde 2001, R$ 86 bilhões em fundos setoriais. Mas, segundo Vivien, somente 7% desse valor foram alocados ao setor.

Ela destacou também a necessidade de atualizar a legislação do setor de telecomunicações. “Vivemos sob a égide de uma norma que privilegiava a voz”, explicou. “Mas a população quer internet, banda larga, agilidade, conectividade global e, cada vez mais, terminais sofisticados.”

Vivien defendeu a criação de mecanismos de incentivo ao investimento em banda larga e mobilidade. “Precisamos transformar aquela polêmica sobre bens reversíveis em recursos para investir em telecomunicações, mas de uma forma proativa que gere desenvolvimento para o país”, disse.

Para saber mais, acompanhe a entrevista em vídeo de Vivien Suruagy, da Contic, ao inova.jor TIC, com apoio da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil).

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Nosso cérebro espelha o que somos e somos o que ele permite ser / Pedro Gabriel Ferreira/Creative Commons

Como o uso de aplicativos afeta o cérebro

O contato com aplicativos e dispositivos é cada dia mais comum para todo tipo de gente, de todas as idades. Um contato intenso, que, muitas vezes, deixa as pessoas isoladas, absorvidas em casulos imaginários, de olhos fixos em telas de todos os tamanhos. Não há lugar ou limite: pode ser na espera de[…]

Leia mais »
Marcia Ogawa, da Deloitte Brasil, afirma que as empresas brasileiras já estão prontas para a internet das coisas / inova.jor

Internet das coisas deve decolar ainda neste ano

 O mercado brasileiro de internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) deve começar a ganhar escala neste ano. Essa é a opinião de Marcia Ogawa, sócia de Telecomunicações, Mídia e Tecnologia da Deloitte Brasil. “O primeiro motivo é que a fase de awareness, de conscientização do que é[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami