inova.jor

inova.jor

Qual deve ser o impacto da inteligência artificial no trabalho

Trabalhadores brasileiros admitem conhecer pouco a respeito de inteligência artificial / Jean Zar/Creative Commons
Trabalhadores brasileiros admitem conhecer pouco a respeito de inteligência artificial / Jean Zar/Creative Commons

A inteligência artificial é vista como a tecnologia emergente com maior potencial de transformar o ambiente de trabalho nos próximos cinco anos, segundo o estudo The new digital divide, da Unisys.

A pesquisa ouviu 12 mil pessoas em 12 países, incluindo o Brasil. Os pesquisados têm 18 a 64 anos e usam pelo menos um dispositivo tecnológico, como computador ou smartphone, para trabalhar.

No Brasil, 47% das pessoas apontaram a inteligência artificial como a tecnologia de maior impacto futuro. O percentual ficou acima da média global de 36%.

Tecnologias com maior potencial de impacto no trabalho / Unisys

A tecnologia ficou à frente da biometria (39%), da internet das coisas (39%) e da robótica e automação de processos (38%).

Apesar disso, os entrevistados admitiram pouco conhecimento a respeito do tema.  Somente 22% afirmaram conhecer bem a inteligência artificial.

Conhecimento dos trabalhadores a respeito das tecnologias / Unisys

“Com treinamento adequado, ferramentas de automação e inteligência vão ajudar a capacitar os profissionais, libertando-os de tarefas entediantes”, afirma Fabio Abatepaulo, diretor de transformação digital da Unisys para a América Latina. “Acreditamos que a IA vai melhorar o modo como os profissionais trabalham, não substituí-los.”

Empresas atrasadas

A pesquisa também mostrou que 52% das pessoas que trabalham em empresas tecnologicamente defasadas (slow tech) expressaram frustração em relação a seus empregadores, comparados a 3% dos que trabalham em organizações líderes em tecnologia (high tech).

Equipamentos são a principal fonte de problemas nas companhias slow tech. Quarenta e três por cento dos trabalhadores dessas empresas reclamam que são impedidos de ser mais produtivos por dispositivos obsoletos.

As empresas foram classificadas como slow tech e high tech de acordo com as respostas dos entrevistados.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Ford lançou no Brasil o Sync 3, sistema de conectividade com acesso ao Apple Car Play e ao Android Auto / Divulgação

Ford procura desenvolvedores de aplicativos

A Ford quer convencer desenvolvedores de aplicativos para celular a criarem soluções para o Sync 3, seu novo sistema multimídia. Hoje, a montadora anunciou que a linha Focus 2017 virá com o novo sistema. A indústria automobilística passa por uma grande transformação, que passa pelo carro conectado e os aplicativos de[…]

Leia mais »
Paulo Planet, fundador da Tail, falou sobre análise de dados no Wired Conference Retail / Patricia Barão/inova.jor

Como a análise de dados melhora as vendas do varejo

E se seu cliente pudesse comprar até cinco vezes mais os produtos da sua marca? Esse resultado é possível de ser alcançado e foi um dos cases apresentados ontem (6/6) na Wired Conference Retail, em São Paulo, que reuniu especialistas em varejo para discutir tendências e inovações que transformam o[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami