inova.jor

inova.jor

O que falta para o carro elétrico deslanchar no Brasil

O carro elétrico ainda responde por 0,2% das vendas no Brasil / Divulgação
O carro elétrico ainda responde por 0,2% das vendas no Brasil / Divulgação

A demanda por carros elétricos no Brasil ainda é bastante modesta. No primeiro semestre, foram vendidas 1.944 unidades, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

O volume representou somente 0,2% do total de 1,1 milhão de automóveis e comerciais leves comercializados no país de janeiro a junho.

Existem diversos fatores que inibem as vendas de carros elétricos no Brasil. Eles vão do alto preço do automóvel e da baixa disponibilidade de modelos até a falta de postos de carregamento.

Esse quadro começa a mudar. Ontem (18/7), a EDP e a BMW, com apoio da Ipiranga, inauguraram seis postos para carro elétrico na Rodovia Presidente Dutra, entre São Paulo e Rio de Janeiro.

Com cerca de R$ 1 milhão em investimento, o projeto é o maior corredor de postos de carregamento da América Latina. Ele permitirá viagens completas de carros elétricos entre as duas capitais.

Os postos foram instalados a uma distância máxima de 122 quilômetros entre si. Um veículo com bateria de 22 kWh leva 25 minutos para alcançar 80% de carga no abastecimento.

Cada estação permite o carregamento de dois veículos ao mesmo tempo.

Neste ano, o uso das estações instadas pela EDP e BMW será gratuito. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou recentemente uma regulação que permite livre negociação de preços de recarga.

A BMW comercializa no Brasil, desde 2014, o modelo elétrico BMW i3 e o híbrido BMW i8. A empresa participou de iniciativas para instalar 100 pontos de recarga no país, com parceiros estratégicos.

Crescimento

Apesar dos números modestos, as vendas de veículos elétricos no país tem crescido rapidamente. No ano passado, foram vendidas 3.296 unidades, comparadas a 1.091 em 2016.

No começo do mês, o governo federal cortou o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para a categoria, que ficou entre 7% e 20%. Anteriormente, a alíquota era de 13% para híbridos e de 25% para elétricos.

No mundo, foram comercializados 1,2 milhão de veículos elétricos em 2017, segundo a Frost & Sullivan. A previsão para este ano é chegar a 1,6 milhão.

A China lidera o mercado, com uma participação de 48% nas vendas no ano passado, seguida da Europa, com 26%.

Para 2025, a expectativa é que o mercado global de carro elétrico alcance 25 milhões de unidades.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Serviços gerenciados de segurança prometem custo menor e mais eficiência / Renato Cruz/inova.jor

Como gerenciar a segurança da informação na sua empresa

Manter a segurança de tecnologia da informação é um desafio cada vez mais complexo.  Trata-se de uma área extremamente especializada, em que existe um déficit mundial de cerca de 1 milhão de profissionais. “A necessidade do mercado é enorme”, afirma Rogério Reis, diretor de Operações da Arcon. “E não há[…]

Leia mais »
Vista aérea de Brasília: pouca compra de produtos tecnológicos pelo governo está entre os fatores da avaliação ruim

Por que o Brasil está ficando para trás em inovação

Na edição mais recente do ranking de competitividade do Fórum Econômico Mundial, o Brasil foi o país que apresentou o pior desempenho, ao perder 18 posições e ficar na 75.ª posição, entre 140 países. Em inovação, um dos indicadores que compõem o ranking, o tombo foi ainda maior: o Brasil[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami