inova.jor

inova.jor

Por que é importante usar o celular na educação

Educação: É preciso usar o celular como ferramenta pedagógica, escreve Maria Slemenson / Divulgação
É preciso usar o celular como ferramenta pedagógica, escreve Maria Slemenson / Divulgação

Com mais de um smartphone ativo por habitante, o Brasil é um país conectado pela ponta dos dedos, independentemente das nossas desigualdades regionais e sociais.

Professores e, principalmente, alunos não escapam dessa tendência e estão imersos no mundo digital para trocar mensagens com amigos e familiares, postar fotos e ver séries e filmes.

O próximo passo, que já está em andamento, é usar o celular como ferramenta pedagógica.

A pesquisa TIC Educação 2016, realizada pelo Cetic.br, do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), mostrou que 39% dos docentes afirmam utilizar o dispositivo para realizar alguma atividade com os alunos, sendo 36% em escolas públicas.

O estudo é feito desde 2010 e avalia a infraestrutura de tecnologia da informação e da comunicação em escolas públicas e privadas de áreas urbanas, assim como a apropriação dessas ferramentas nos processos educacionais.

Há uma infinidade de plataformas que oferecem conteúdo de alta qualidade, que passa por curadoria cuidadosa e que pode ser acessado livremente por professores e alunos.

A Escola Digital, que já foi customizada por 22 estados e municípios do país, é uma delas e conta com 22 mil recursos de aprendizagem, parte deles alinhados com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), como planos de aula, atividades, vídeos, jogos e simuladores.

A melhor parte de tudo, sem custos.

Comunidade digital

A tendência das plataformas não é exclusiva do Brasil, mas sim global, com grandes players como Khan Academy, Coursera, Udacity e até mesmo o YouTube se destacando não apenas nos dispositivos móveis, mas também nos desktops.

A dinâmica é bem parecida com a das nossas redes sociais e o processo parece uma evolução natural da maneira como ensinamos e aprendemos.

É possível montar listas de reprodução, classificar conteúdos que mais chamaram a atenção, fazer buscas, navegar por categorias, produzir novos recursos, deixar comentários e interagir com outros usuários, formando uma comunidade digital.

Materiais multimídia, especialmente hoje em dia, com os quais estamos acostumados por conta das mídias sociais, deixam a aula muito mais interativa e dinâmica.

Os recursos também podem ser uma solução para a falta de estrutura de informática da rede pública brasileira, já que os professores e alunos só precisam de uma rede wi-fi e de seus próprios celulares para ter acesso a uma infinidade de ferramentas de qualidade.

Por isso, é importante que as escolas ofereçam redes de internet de qualidade, além de equipamentos de apoio como projetores e sistemas de som e formações para que os professores saibam melhor como aproveitar o universo digital em seu cotidiano.

Ainda segundo a pesquisa da TIC, o uso da internet em sala de aula está disponível em apenas 43% das escolas públicas, isso porque a rede costuma ser de uso exclusivo das salas dos professores e da direção.

Plataformas eficientes

Vale lembrar que boa parte dos estados brasileiros conta com legislação que proíbe o uso de celulares em escolas.

No entanto, a lei permite o uso do aparelho para iniciativas pedagógicas. Porém, a prática das escolas tem sido proibir de maneira geral o uso do celular em sala de aula, o que é um desafio para o uso de plataformas eficientes como as que mencionamos acima.

É claro que a tecnologia sozinha não consegue promover as grandes mudanças que a educação pública brasileira tanto anseia, mas ela também não pode ser deixada de lado porque representa um potencial sem limites para nossos professores e alunos.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O StartupIN Favelas vai oferecer capacitação em empreendedorismo para 80 jovens / UK in Brazil/Creative Commons

StartupIN Favelas oferece capacitação em empreendedorismo

No próximo fim de semana, 80 jovens de comunidades cariocas vão receber capacitação em empreendedorismo do programa StartupIN Favelas. Parceria da YDreams Global e da 1STi, a iniciativa social recebeu mais de 200 inscrições de moradores de 18 a 35 anos do Complexo do Alemão, Penha, Morro dos Prazeres e[…]

Leia mais »
Antes da Brasil/CT, Marcos Wettreich criou o iBest e a MLab / Divulgação

‘Nunca faço business plan quando começo um negócio’

Marcos Wettreich é um pioneiro da internet brasileira. Quem acompanhou a chegada da operação comercial da rede no Brasil, há pouco mais de duas décadas, lembra-se da revista Internet World e da empresa de eventos Matel, dois empreendimentos de Wettreich. Também deve se lembrar do iBest, que surgiu como prêmio e[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami