inova.jor

inova.jor

Ericsson: ‘5G precisa de legislação atualizada’

A quinta geração das comunicações móveis (5G) deve chegar ao Brasil em 2020, segundo Eduardo Ricotta, presidente da Ericsson no país.

Em entrevista ao inova.jor TIC, o executivo defendeu a necessidade de se atualizar a legislação.

“O 5G está chegando em frequências baixas e altas”, explicou. “Precisamos ter uma lei mais razoável para licenciar as antenas. Talvez no escopo federal e não municipal.”

Alguns países, como os Estados Unidos, têm flexibilizado leis que tratam da instalação de infraestrutura, destacou Ricotta.

“Na frequência alta de 5G, vai haver antenas a cada 100, 200 metros”, explicou. “A legislação de hoje não consegue se adequar à necessidade do 5G em alta frequência. Esse é um tema importante para endereçarmos no próximo governo.”

Ele também ressaltou a importância de se aprovar o Projeto de Lei (PL) 79, que atualiza a Lei Geral de Telecomunicações (LGT), para incentivar investimentos no setor.

“Acho que vai ter mais dinheiro no mercado de telecomunicações e girar a roda para todos os fornecedores e para o mercado em geral”, disse.

Custos de frequências

Ricotta também defendeu que os leilões de frequência tenham custos menores no Brasil.

“Quando comparamos o Brasil com outros países, tanto na Europa, América do Norte ou Ásia, os custos das licenças por MHz chegam a ser 10, 12 vezes mais caros do que em países mais desenvolvidos”, explicou.

O executivo apontou quatro áreas com grande potencial de desenvolvimento para a tecnologia 5G no Brasil.

A primeira é a banda larga móvel. “A banda larga móvel continua a crescer rapidamente e precisamos reduzir o custo por gigabit. Isso vai se dar por meio de tecnologias como o 5G.”

Outra área de grande potencial é o acesso fixo sem fio. “No Brasil, dependemos mais da rede móvel do que nos países desenvolvidos. Na Europa, tem muita fibra na casa das pessoas.”

Além disso, o presidente da Ericsson no Brasil enxerga muito espaço para aplicações de internet das coisas, tanto de uso de massa quanto de missão crítica.

Pesquisa e desenvolvimento

Atualmente, o Brasil está entre os 10 maiores mercados mundiais para a Ericsson. É um dos quatro países em que a empresa possui fábrica.

A equipe local de pesquisa e desenvolvimento da Ericsson é formada por 600 pessoas, que desenvolvem soluções para todo o mundo, principalmente na área de bilhetagem.

Para saber mais, acompanhe a entrevista em vídeo com Eduardo Ricotta, da Ericsson, ao inova.jor TIC, que tem apoio da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil).

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Cristiano Cardoso visita exposição de arte durante o evento INOVAKlabin / Divulgação

Klabin investe em inovação e lança copo biodegradável

Aos 119 anos, a Klabin aposta em inovação e sustentabilidade. A fabricante de papéis para embalagens anunciou, na última semana, um investimento de R$ 32 milhões em suas operações de pesquisa e desenvolvimento. O montante será destinado à construção de um parque de plantas-piloto na Unidade Monte Alegre, em Telêmaco[…]

Leia mais »
Internet: Interfaces de voz, como o Echo, da Amazon, é uma das principais tendências / Rob Albright/Creative Commons

Quando as máquinas aprendem a conversar de verdade

Máquinas que entendem comandos de voz já viraram lugar comum, mas os sistemas de inteligência artificial ainda não são capazes de participar de uma conversa de verdade, como o C-3PO, de Star Wars (ou o HAL 9000, de 2001, para dar um exemplo não tão benigno). A Amazon quer mudar isso, e[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami