inova.jor

inova.jor

Há um tesouro escondido nas contas de luz

Tulsa encontrou resposta ao problema dos sem teto nas contas de luz / Nicolas Henderson
Tulsa encontrou resposta ao problema dos sem teto nas contas de luz / Nicolas Henderson

Quanto menor o orçamento de uma cidade, mais valiosas são as suas bases de dados.

Elas são fontes riquíssimas para tomada de decisões pelo poder público sobre seus investimentos e ações, e para o acompanhamento dos resultados obtidos tanto por parte do próprio poder público quanto da população.

Dados que sempre estiveram à mão, como contas de luz, ações judiciais, boletins escolares, registros de buracos nas ruas,  queixas sobre postes e árvores caídas, podem indicar respostas sobre o que priorizar e quando, onde e como agir frente à crônica escassez de recursos das finanças públicas.

Vale a pena beber da experiência da pequena Tulsa, no estado norte-americano de Oklahoma.

No ano passado, seu prefeito, G. T. Bynum, convocou voluntários para dar as mãos aos funcionários do municipais, dando vida a um programa chamado Os pioneiros dos dados urbanos.

Seu objetivo foi criar soluções baseadas na análise de dados da cidade.

Dezenas de cidadãos e funcionários públicos formaram grupos de trabalho com duração de dez semanas cada, com o objetivo de formular indicadores específicos que decifrassem padrões de comportamento da população, dando maior eficácia a uma determinada ação social.   

Um, entre tantos tópicos, mereceu atenção: os sem teto na cidade.

A cidade ostenta um dos maiores índices de ações de despejo dos Estados Unidos, raiz de parte desse problema.

A ideia foi criar um indicador que alertasse, de início, as famílias com sérios problemas financeiros, antes que fossem obrigadas a deixar as suas moradias.

Ação social

Thoran Rodrigues, da BigData Corp. / Divulgação
Thoran Rodrigues, da BigData Corp. / Divulgação

Após estudar o caso, o grupo de voluntários entendeu que a resposta para monitorar o problema estava nas contas de água.

Afinal, antes de uma ação de despejo, as famílias pobres norte-americanas tendem a atrasar suas contas de água.

E, quando param de pagar a água, em pouco tempo são despejadas do local, muitas vezes deixando para trás um imóvel vazio, outra dor de cabeça social.

Nos Estados Unidos, boa parte das casas é construída em madeira. Quando abandonadas, deterioram-se rapidamente. E, não raro, são interditadas e demolidas.

Portanto, ao monitorar a regularidade dos pagamentos de água, a cidade hoje consegue identificar um possível futuro despejo em um estágio em que a ação social é mais eficaz, e certamente mais barata.

Como afirma o chefe de Estratégia de Performance e Inovação de Tulsa, James Wagner, antes do programa, os dados da cidade não passavam de registros. “Hoje, os vemos como tesouros”.

A iniciativa da brigada dos dados mostrou quão sexy podem ser os dados de um município.

Principalmente quando a comunidade é envolvida na discussão e na criação de soluções para questões objetivas.

A experiência dos pioneiros dos dados urbanos de Tulsa lhe rendeu, no ano passado, o prêmio Engaged Cities Award, criado pelo braço de filantropia da Bloomberg.

O truque, no entanto, é saber quais dados cruzar para se construir indicadores eficazes e que não distorçam a realidade em função de premissas equivocadas.

Isso porque indicadores podem carregar o olhar de seus criadores.

Discussões transparentes

A verdade é que, dificilmente, dados são apolíticos. Sempre haverá alguém na ponta decidindo quais informações são coletadas (e quais não o são), quais hipóteses são testadas e, posteriormente, como esses resultados serão empregados.

O importante, no entanto, é contar com discussões transparentes e a participação da comunidade.

Esses dois ingredientes são chave para garantir a orientação do trabalho, desde a etapa da mineração de dados à construção de políticas públicas.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Gillette foi comprada pela P&G por US$ 10,5 bilhões em 2004 / Faruk Ates

Como transformar empresas tradicionais em máquinas de inovação

Inovação está na agenda de todos os CEOs de empresas tradicionais, seja por pressão do conselho de administração ou preocupação com a velocidade com que novas empresas destronam companhias com maior tempo de mercado. Segundo a consultoria Innosight, em 1965, empresas listadas entre as maiores do índice S&P 500 estavam[…]

Leia mais »
Renato Cruz, Gustavo Meirelles e Daniel Gonzales conversaram no programa Start Eldorado / Divulgação

Start Eldorado: Como é a transformação digital na saúde

Tecnologias como internet das coisas, análise de dados e impressão 3D revolucionam o setor de saúde. Na quarta-feira (4/3), conversei sobre transformação digital com Gustavo Meirelles, gestor médico do Grupo Fleury, no Start Eldorado. Você pode ouvir o programa abaixo: Quando ouvir O programa vai ao ar todas as quartas-feiras, às 22h, na Rádio[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami